Google+ Badge

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Por que se deve tomar o Sacramento com a mão direita? Faz diferença qual mão se usa?


Por que se deve tomar o Sacramento com a mão direita? Faz diferença qual mão se usa?

Deitada em seu leito de morte, ao dar a luz um filho, Raquel deu-lhe o nome de Benoni que, em hebraico quer dizer “filho da minha dor” ou “aflição”. Jacó (Israel), seu marido, prem mudou seu nome do recém-nascido, possivelmente para evitar a repetida referência ao sofrimento e morte dela, toda vez que fosse pronuciado. Escolheu como substituto Benjamim, que em hebraico significa “filho à (mão) direita”. (Ver Gênesis 35: 16-19.)  Com esse nome especial dado a Benjamim, seu décimo segundo filho, Israel exprimiu seu grande amor a sua esposa Raquel.
            Que a mão direita sugere preferência ou graça simbólica, é demonstrado também na parábola das ovelhas e dos bodes. Dizia Jesus:
-Quando o Filho do Homem vier em sua gláoria, e todos os santos anjos com ele, então se assentará no trono de glória;
E todos as nações serão reunidas diante dele, e apartará uns dos outros, como o pastor aparta dos bodes as ovelhas.
“E porá as ovelhas à sua mão direita, mas os bodes à sua esquerda.
“Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: benditos de meu pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo.” (Mateus 25: 31-34)
            Os relatos escrituríticos nos revelam alguma coisa do significado simbólico da mão direita- simbolismo que aparece na linguagem e outras características culturais do mundo judeu e cristão.
Em latim, por exemplo, dextera (direita) e sinistra (esquerda), indicavam não só a mão direita e esquerda, como deram origem a adjetivos com conotação favorável e desfavorável. Uso da mão direita como gesto simbólico foi, com o tempo, estendido a prestação do juramento governamental e judicial, quando testemunhas deviam depor sob juramento.
Isto posto, podemo-nos concentrar na questão de que mão devemos usar, de preferência, ao participar do sacramento.
            A palavra sacramento deriva de duas raizes latinas: sacro (sagrado) e mente (pensamento, intelecto), implicando pensamentos sagrados da mente. Mais convicente ainda é o termo latino (sacramentum), significando literalmente “voto ou obrigação solene”. Participar do sacramento, portanto, pode ser interpretado como renovação por voto ou juramento, do convenio feito no batismo. É um momento sagrado, incluíndo (1) Voto silencioso manifestado pelo uso da mão, símbolo do convênio individual, e (2) o uso do pão e da água, símbolo do grande sacrifício expiatório do Salvador do mundo.
A mão usada para participar do sacramento deveria ser a mesma usada ao se fazer qualquer outro voto sagrado. Para a maioria de nós, seria a mão direita. Os que perderam a mão direita não têm mãos, podem e fazem o convênio sacramental e outros convênios eternos. Muito mais importante que a mão usada para tomar o sacramento, é que se entenda profundamente o sacrifício expiatório que representa.
            Os pais se preocupam com qual mão as crianças toman o sacramento. Este é oferecido ás crianças pequenas, ainda não batizadas, como meio de educação, preparação e intrução,
            “Prefigurando o convênio que farão, ao atingirem os oito anos”. (Bruce R. McConkie, Doutrina Mormon, p. 660.) Por isso, é muito importante que desenvolvam um sentimento adequado e sagrada atitude mental quanto ao simbolismo e significado do sacramento. Os pais que quiserem ensinar seus filhos a importância dessa sagrada experiência, poderiam usá-la quando como tópico para uma reunião familiar. Então, quando houver necessidade de um lembrente numa reunião, este poderá ser dado em silêncio, com paciência e carinho.
            Participar do sacramento é um processo mental sagrado e, por isso, torna-se uma coisa muito pessoal para mim. Penso nos convênios que estão feitos entre mim e a Deidade, ao serem proferida as orações. Penso em como Deus ofereceu seu Filho Unigênito. Penso no sacríficio expiatório do Salvador, Jesus Cristo. O sacramento foi instituído por ele que ofereceu sua carne e sangue por toda a humanidade, incluindo eu, determinando que água e pão fossem seus emblemas simbólicos. Como possuo a mão direita, eu a ofereço, ao participar do sacramento, como voto de que sempre me lembrarei dele, como também guardarei os mandamentos de Deus.
            Este é um sagrado privilégio de todos os santos fiéis no dia do Senhor.

(*Elder Russell M Nelson,  A Liahona, Outubro de 1983 pag 22-23)
*Então Representante Regional.
Digitado formatado conforme publicação de A Liahona por Valdir Malagueta
Postar um comentário