Google+ Badge

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Deficiências x desafios

 
No futebol americano, há um momento em que o jogador tem de dar um chute na bola.

No circuito universitário havia, há alguns anos, um rapaz que era o recordista de chute. Ninguém chutava tão forte quanto ele.

O importante nessa história era que o pé de que ele se utilizava para conseguir tal façanha, não tinha nenhum dos dedos!

Quando descobriram isso, fizeram inúmeras entrevistas com ele, e a primeira pergunta era sempre do tipo:

"Como você, tendo tal deficiência, consegue fazer uma coisa que ninguém mais consegue?"

E ele, orgulhosamente, sempre respondia:

"Porque eu cresci ouvindo meu pai dizer: ‘Encare suas deficiências e seus problemas como desafios, nunca como desculpas’."

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

As Duas Sementes


Duas sementes acabaram sendo enterradas uma ao lado da outra.
A primeira semente disse para segunda:
— Pensa como será divertido, vamos crescer nossas raízes fundo no solo e quando elas estiverem fortes, nós vamos brotar da terra e nos tornar lindas flores para todo mundo ver e admirar !
A segunda semente ouviu mas estava preocupada.
— Isso parece legal, ela disse, mas a terra não está muito fria? Eu estou com medo de estender minhas raízes nela. E se alguma coisa der errado e eu não me tornar muito bonita ? Então a senhora pode não gostar de mim, eu estou com medo.
A primeira semente, no entanto, não estava intimidada.
Ela empurrou suas raízes para baixo na terra e começou a crescer.
Quando suas raízes estavam fortes o suficiente, ela emergiu do solo como uma linda flor.
A senhora inclinou-se cuidadosamente para ela e orgulhosamente mostrou a flor perfumada para todos os seus amigos.
Mas enquanto isso a outra semente permanecia dormente.
— "Vamos lá", a flor dizia todo o dia para a sua amiga, está quente e maravilhoso aqui em cima, no sol!
A segunda semente estava muito impressionada, mas permanecia amedrontada e com insegurança empurrou uma raiz no solo.
— "Ai", ela disse. Essa terra ainda está ainda muito fria e dura pra mim. Eu não gosto dela. Eu prefiro ficar aqui na minha própria concha onde estou segura e confortável. Há muito tempo par se tornar uma flor.
Nada que a primeira semente dissesse mudava a mente da segunda.
Então, um dia quando a senhora estava fora um pássaro faminto voou no jardim, ele ciscava o solo procurando algo para comer.
A segunda semente que estava logo abaixo da superfície estava com muito medo de ser comida.
Mas aquele era seu dia de sorte.
Um gato pulou do peitoril da janela e espantou o pássaro.
A semente suspirou de alívio !
E neste momento tomou uma importante decisão :
— É uma tolice desperdiçar meu curto tempo aqui na terra, ela disse.
Eu vou seguir as minhas esperanças e sonhos de mudança em vez de meus medos. Então, sem outro pensamento, a segunda semente começou a espalhar as suas raízes e também cresceu e se tornou uma linda flor.
Não podemos deixar para amanhã, o que precisa ser feito hoje.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Um grande conceito sobre amizade


Na guerra...
- Meu amigo ainda não regressou do campo de batalha, senhor. Solicito permissão para ir buscá-lo — disse um soldado a seu superior.
- Permissão negada, respondeu o oficial — Não quero que você arrisque a sua vida por um homem que provavelmente está morto.
O soldado, desconsiderando a proibição, saiu, e uma hora mais tarde regressou mortalmente ferido, transportando o cadáver de seu amigo.
O oficial ficou furioso.
- Eu te disse que ele já estava morto! Agora, por causa da sua indisciplina, eu perdi dois homens! Me diga, valeu a pena ir até lá para trazer um cadáver?
E o soldado, moribundo, respondeu:
- Claro que sim, senhor! Quando encontrei o meu amigo, ele ainda estava vivo e pode me dizer: "Eu tinha certeza que você viria!"
"UM AMIGO É AQUELE QUE CHEGA QUANDO TODO MUNDO JÁ SE FOI."

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

A VERDADE ESTÁ NA CARA, MAS NÃO SE IMPÕE.


A VERDADE ESTÁ NA CARA, MAS NÃO SE IMPÕE.
(ARNALDO JABOR)

O que foi que nos aconteceu?
No Brasil, estamos diante de acontecimentos inexplicáveis, ou melhor,'explicáveis' demais.
Toda a verdade já foi descoberta, todos os crimes provados, todas as mentiras percebidas.
Tudo já aconteceu e nada acontece. Os culpados estão catalogados, fichados, e nada rola.
A verdade está na cara, mas a verdade não se impõe. Isto é uma situação inédita na História brasileira!!!!!!!
Claro que a mentira sempre foi a base do sistema político, infiltrada no labirinto das oligarquias, mas nunca a verdade foi tão límpida à nossa frente e, no entanto, tão inútil, impotente, desfigurada!!!!!!!!
Os fatos reais: com a eleição de Lula, uma quadrilha se enfiou no governo e desviou bilhões de dinheiro público para tomar o Estado e ficar no poder 20 anos!!!!
Os culpados são todos conhecidos, tudo está decifrado, os cheques assinados, as contas no estrangeiro, os tapes, as provas irrefutáveis, mas o governo psicopata de Lula nega e ignora tudo!!!!!
Questionado ou flagrado, o psicopata não se responsabiliza por suas ações. Sempre se acha inocente ou vítima do mundo, do qual tem de se vingar. O outro não existe para ele e não sente nem remorso nem vergonha do que faz!!!!!
Mente compulsivamente, acreditando na própria mentira, para conseguir poder. Este governo é psicopata!!! Seus membros riem da verdade, viram-lhe as costas, passam-lhe a mão nas nádegas. A verdade se encolhe, humilhada, num canto. E o pior é que o Lula, amparado em sua imagem de 'povo', consegue transformar a Razão em vilã, as provas contra ele em acusações 'falsas', sua condição de cúmplice e Comandante em 'vítima'!!!!!
E a população ignorante engole tudo.. Como é possível isso?
Simples: o Judiciário paralítico entoca todos os crimes na Fortaleza da lentidão e da impunidade. Só daqui a dois anos serão julgados os indiciados - nos comunica o STF.
Os delitos são esquecidos, empacotados, prescrevem. A Lei protege os crimes e regulamenta a própria desmoralização Jornalistas e formadores de opinião sentem-se inúteis, pois a indignação ficou supérflua. O que dizemos não se escreve, o que escrevemos não se finca, tudo quebra diante do poder da mentira desse governo.
Sei que este é um artigo óbvio, repetitivo, inútil, mas tem de ser escrito...
Está havendo uma desmoralização do pensamento.
Deprimo-me:
Denunciar para quê, se indignar com quê? Fazer o quê?'
A existência dessa estirpe de mentirosos está dissolvendo a nossa língua. Este neocinismo está a desmoralizar as palavras, os raciocínios. A língua portuguesa, os textos nos jornais, nos blogs, na TV, rádio, tudo fica ridículo diante da ditadura do lulo-petismo.
A cada cassado perdoado, a cada negação do óbvio, a cada testemunha, muda, aumenta a sensação de que as idéias não correspondem mais Aos fatos!!!!!
Pior: que os fatos não são nada - só valem as versões, as manipulações.
No último ano, tivemos um único momento de verdade, louca, operística, grotesca, mas maravilhosa, quando o Roberto Jefferson abriu a cortina do país e deixou-nos ver os intestinos de nossa política.
Depois surgiram dois grandes documentos históricos: o relatório da CPI dos Correios e o parecer do procurador-geral da república. São verdades cristalinas, com sol a Pino.
E, no entanto, chegam a ter um sabor quase de 'gafe'.
Lulo-Petistas clamam: 'Como é que a Procuradoria Geral, nomeada pelo Lula, tem o desplante de ser tão clara! Como que o Osmar Serraglio pode ser tão explícito, e como o Delcídio Amaral não mentiu em nome do PT ? Como ousaram ser honestos?'
Sempre que a verdade eclode, reagem.
Quando um juiz condena rápido, é chamado de exibicionista'. Quando apareceu aquela grana toda no Maranhão (lembram, filhinhos?), a família Sarney reagiu ofendida com a falta de 'finesse' do governo de FH, que não teve a delicadeza de avisar que a polícia estava chegando....
Mas agora é diferente.
As palavras estão sendo esvaziadas de sentido. Assim como o stalinismo apagava fotos, reescrevia textos para contestar seus crimes, o governo do Lula está criando uma língua nova, uma neo-língua empobrecedora da ciência política, uma língua esquemática, dualista, maniqueísta, nos preparando para o futuro político simplista que está se consolidando no horizonte.
Toda a complexidade rica do país será transformada em uma massa de palavras de ordem , de preconceitos ideológicos movidos a dualismos e oposições, como tendem a fazer o Populismo e o simplismo.
Lula será eleito por uma oposição mecânica entre ricos e pobres, dividindo o país em 'a favor' do povo e 'contra', recauchutando significados que não dão mais conta da circularidade do mundo atual. Teremos o 'sim' e o 'não', teremos a depressão da razão de um lado e a psicopatia política de outro, teremos a volta da oposição Mundo x Brasil, nacional x internacional e um voluntarismo que legitima o governo de um Lula 2 e um Garotinho depois.
Alguns otimistas dizem: 'Não... este maremoto de mentiras nos dará uma fome de Verdades'!

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Etiqueta e Boas Maneiras do Hóspede

Se for convidado para hospedar-se na casa de alguém, seja simpático e leve uma pequena lembrança, algo que vai agradar o anfitrião.
Quando se hospedar, não leve consigo mãe, pai, irmãos, sobrinhos e entre outros. O convite foi para você. Se tiver dúvidas certifique-se para quem é o convite, também. Afinal, o anfitrião pode não estar preparado para receber em casa mais pessoas do que previa.
Procure levar seus pertences pessoais (secador de cabelos, escova de dente, creme dental, xampu, sabonete e toalha de banho) e roupas o suficiente (temperatura local).
Já hospedado, mantenha o seu espaço limpo e arrumado, isso serve para homens e mulheres. Proponha-se a ajudar na limpeza da casa.
Se utilizar o mesmo banheiro que eles, mantenha-o limpo. Não deixando suas roupas sujas espalhadas, guardando-as e levando-as para lavar em sua casa.
Se você tiver filhos, a preocupação deve ser redobrada. Não deixe que eles destruam a casa, mesmo que este seja a sua mãe, o seu irmão ou um parente próximo.
Não faça na casa do seu anfitrião, o que você não gostaria que fizessem na sua casa, por exemplos, se exceder no banho, utilizar o telefone, utilizar o carro dele. Não quebre nada, e se quebrar, assuma e pague o estrago.
Seja educado, não fique hospedado por dias, ninguém gosta disso, por mais que tente ser simpático e lhe digam “Por que a pressa? Fiquem mais uns dias”.
Durante a estadia seja simpático e se proponha a partilhar gastos, converse com o anfitrião e em comum acordo com ele, faça uma compra de supermercado. Hoje em dia é bom dividir despesas. Mesmo que seja deixar o seu filho na casa de um parente, ainda assim contribua com alguma coisa.
Quando for embora para sua casa, lembre-se de enviar um cartão com flores, ou uma lembrança em agradecimento a hospedagem.
Assim que possível, retribua a hospedagem, é de bom grado retribuir o convite e hospedar o seu anfitrião da mesma forma como foi hospedado, ou seja, com toda atenção possível.
Com carinho, Luci Cabreli, Turismóloga

domingo, 20 de janeiro de 2013

Sinceramente não sei...


Se você ainda não sabe qual é a sua verdadeira vocação, imagine a seguinte cena:
Você está olhando pela janela, não há nada de especial no céu, somente algumas nuvens aqui e ali.
Aí chega alguém que também não tem nada para fazer e pergunta:
- Será que vai chover hoje?
Se você responder 'com certeza'... a sua área é Vendas: O pessoal de Vendas é o único que sempre tem certeza de tudo.
Se a resposta for 'sei lá, estou pensando em outra coisa'... então a sua aérea é Marketing: O pessoal de Marketing está sempre pensando no que os outros não estão pensando.
Se você responder 'sim, há uma boa probabilidade'... você é da área de Engenharia: O pessoal da Engenharia está sempre disposto a transformar o universo em números.
Se a resposta for 'depende'... você nasceu para Recursos Humanos: Uma área em que qualquer fato sempre estará na dependência de outros fatos.
Se você responder 'ah, a meteorologia diz que não'... você é da área de Contabilidade: O pessoal da Contabilidade sempre confia mais nos dados no que nos próprios olhos.
Se a resposta for 'sei lá, mas por via das dúvidas eu trouxe um guarda-chuvas': Então seu lugar é na área Financeira que deve estar sempre bem preparada para qualquer virada de tempo.
Agora, se você responder 'não sei'... há uma boa chance que você tenha uma carreira de sucesso e acabe chegando a diretoria da empresa.
De cada 100 pessoas, só uma tem a coragem de responder 'não sei' quando não sabe.
Os outros 99 sempre acham que precisam ter uma resposta pronta, seja ela qual for, para qualquer situação.
'Não sei' é sempre uma resposta que economiza o tempo de todo mundo, e predispõe os envolvidos a conseguir dados mais concretos antes de tomar uma decisão.
Parece simples, mas responder 'não sei' é uma das coisas mais difíceis de se aprender na vida corporativa.
Por quê?
Eu sinceramente 'não sei'.

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Qual a relação entre competência comportamental e voluntariado?



É interessante vermos como o voluntariado cresce no Brasil. Para se ter uma ideia de como essa realidade posiciona-se na vida do brasileiro, em dezembro de 2010, a pesquisa Perfil do Voluntariado Empresarial no Brasil, realizada junto a mais de 100 companhias pelo Conselho Brasileiro de Voluntariado Empresarial (CBVE), apontou que o percentual de organizações que investiam mais de R$ 200 mil/ano em ações voluntárias passou de 19%, em 2007, para 36% em 2010. 
E mais: quase 60% pesquisadas valorizavam a experiência em trabalho voluntário na seleção de novos funcionários. Outro indicador relevante: a participação dos dirigentes nas ações voluntárias é considerada fator estimulante para que os colaboradores abracem os programas de voluntariado.
Mas, por que tanto interesse das empresas em levar seus funcionários para o universo do voluntariado? Um deles está no fato de que pessoas que atuam em algum tipo de ação voluntária têm a oportunidade de desenvolverem competências comportamentais que agregam valor tanto para a sociedade quanto para a própria organização. Confira abaixo quais são essas competências que o voluntário gera ao colaborador:

1 - Trabalho em equipe - Quem se dispõe em dedicar parte do seu tempo a uma ação voluntária terá que trabalhar em equipe e, consequentemente, aprender a lidar com o diverso.

2 - Otimização do tempo - 
Quando um profissional compromete-se em realizar alguma atividade junto a uma instituição, mesmo que seja uma vez por semana, ele precisará programar bem o seu tempo. Isso permitirá que ao sair da empresa para ir a uma entidade beneficente, ele tenha em mente que ao retornar no dia seguinte para o trabalho, a sua agenda estará em dia. Ao otimizar o tempo na empresa, a sua entrega à ação voluntária será, sem dúvida alguma, muito mais positiva.

3 - Comunicação -
 Muitas pessoas que são consideradas tímidas têm uma bela oportunidade de trabalhar a comunicação intra e interpessoal em suas ações voluntárias. Isso acontece naturalmente. Sem que percebam passam a exercitar o hábito de falar em público, de ouvir, de expressar suas opiniões, ações que quando tentavam realizar durante uma reunião, por exemplo, parece uma "missão impossível".

4 - Assertividade - 
Geralmente, as pessoas não assertivas sentem extrema dificuldade de defenderem suas ideias, através de argumentos plausíveis e sempre respeitando o espaço de terceiros. Em um ambiente que o voluntariado pode ser trabalhado, algumas pessoas conseguem entender o quanto é valioso manifestarem seus desejos, mas sempre respeitando as opiniões dos outros. O exercício contínuo de conviverem de situações diversas às vivenciadas nas organizações pode abrir-lhes o caminho para darem os primeiros passos rumo à assertividade.

5 - Consciência cidadã -
 O trabalho voluntário permite que a pessoa exercite a sua cidadania e contribua efetivamente para a melhoria da sociedade. Suponhamos que os funcionários, de uma empresa "X", reúnam-se em um parque, no final de semana, para plantarem mudas de uma determinada espécie de árvore que está ameaçada de extinção. Depois de algum tempo, caso esses colaboradores retornem a esse local com seus filhos, por exemplo, terão o sentimento de que contribuíram para a melhoria daquele espaço de lazer. Se alguma criança tentar danificar alguma das mudas que foram plantadas por eles, provavelmente ele intercederá junto à criança e explicará a importância de se preservar a natureza.

6 - Ética -
 Outro valor gerado pelo voluntariado está diretamente relacionado ao sentimento de ética. Não são poucos os casos de pessoas que passaram a ter uma visão diferenciada da vida e a terem uma postura muito mais ética junto aos colegas de trabalho, ao dedicarem algumas horas da semana em uma ação voluntária. Lógico que um trabalho voluntário não muda a essência da pessoa, mas permite que vários conceitos sejam revistos e, por vezes, substituídos por outros bem melhores.

7 - Pró-atividade -
 Essa tem sido uma competência que se destaca muito nas empresas que procuram por profissionais que façam a diferença para o negócio. Mas, o que significa ser pró-ativo? É se anteceder a um problema e já chegar com a solução para o seu gestor, por exemplo. Isso difere os pró-ativos dos ativos, que só agem quando o problema já se faz presente. Quem já teve a chance de participar de um trabalho voluntário sabe que a todo o momento a pró-atividade é necessária, para a continuidade de um trabalho possa beneficiar muitas pessoas.

8 - Criatividade - 
O estímulo à criatividade surge no trabalho voluntário, quando menos se espera. Ele vem quando se está com pouco material para realizar uma atividade com um número significativo de crianças ou, então, é preciso oferecer um lanche saboroso, mas que não exija ingredientes obrigatoriamente caros. E vale destacar que ser criativo não é ter ideias consideradas "mirabolantes", mas sim até mesmo usar o que já se tem em mãos, mas de uma forma diferenciada e mais produtiva.

9 - Comprometimento - 
Encontrar pessoas comprometidas é algo que toda empresa deseja. E quem abraça uma causa voluntária mostra-se comprometido e determinado em suas decisões.

10 - Auto-motivação - 
Abraçar uma ação voluntária requer também pessoas que se auto-motivem e estejam dispostas a motivar os demais membros da sua equipe. Inúmeras vezes, esses herois do anonimato se veem em situações que fariam muitos mostrarem "a bandeira branca" e se darem por vencidos. Contudo, quando menos se espera eles não apenas mostram-se motivados, mas contagiam positivamente quem está ao seu lado. E como sabemos, estimular as equipes em momentos difíceis é tarefa para poucos cumprirem com louvor.

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Leite Derramado

A menina não cabia em si de felicidade. Pela primeira vez iria à cidade vender o leite de sua vaquinha. Trajando o seu melhor vestido, ela partiu pela estrada com a lata de leite na cabeça. 
Enquanto caminhava, o leite chacoalhava dentro da lata.
E os pensamentos faziam o mesmo dentro da sua cabeça.
"Vou vender o leite e comprar uma dúzia de ovos."
"Depois, choco os ovos e ganho uma dúzia de pintinhos."
"Quando os pintinhos crescerem, terei bonitos galos e galinhas."
"Vendo os galos e crio as frangas, que são ótimas botadeiras de ovos."
"Choco os ovos e terei mais galos e galinhas."
"Vendo tudo e compro uma cabrita e algumas porcas."
"Se cada porca me der três leitõezinhos, vendo dois, fico com um e ..."
A menina estava tão distraída que tropeçou numa pedra, perdeu o equilíbrio e levou um tombo.
Lá se foi o leite branquinho pelo chão.
E os ovos, os pintinhos, os galos, as galinhas, os cabritos, as porcas e os leitõezinhos pelos ares.
Não se deve contar com uma coisa antes de consegui-la.

segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

O cavaleiro com compaixão nos olhos


Era uma tarde de tempo feio e frio no norte da Virgínia, há muitos anos. A barba do velho estava coberta de gelo e ele esperava alguém para ajudá-lo a atravessar o rio. A espera parecia não ter fim. O vento cortante tornava seu corpo dormente e enrijecido.
Ele ouviu o ritmo fraco e ritmado dos cascos de cavalos a galope sobre o chão congelado. Ansioso, observou quando vários cavaleiros apareceram na curva. Ele deixou o primeiro passar, sem procurar chamar sua atenção. Então veio outro e mais outro. Finalmente, o último cavaleiro se aproximou do lugar onde o velho estava parado como uma estátua de gelo. Depois de observá-lo rapidamente, o velho lhe acenou, perguntando: "O senhor poderia levar este velho para o outro lado? Parece não haver uma trilha para eu seguir a pé."
O cavaleiro parou o cavalo e respondeu: "É claro. Pode montar." Vendo que o velho não conseguia levantar o corpo semicongelado do chão, ajudou-o a montar e não só atravessou o rio com o velho, mas o levou ao seu destino, algumas milhas adiante.
Quando se aproximavam da casa pequena, mas aconchegante, curioso, o cavaleiro perguntou: "Eu percebi que o senhor deixou vários outros cavaleiros passarem sem fazer qualquer gesto para pedir ajuda na travessia. Então eu apareci e o senhor imediatamente me pediu para levá-lo. Eu gostaria de saber por que, numa noite fria de inverno, o senhor pediu o favor ao último a passar. E se eu tivesse me recusado e o deixado na beira do rio?"
O velho apeou do cavalo devagar. Olhou o cavaleiro bem nos olhos e respondeu: "Eu já vivi muito e acho que conheço as pessoas muito bem." Parou um instante e continuou: "Olhei nos olhos dos outros que passaram e vi que eles não se condoeram da minha situação. Seria inútil pedir-lhes ajuda. Mas, quando olhei nos seus olhos, ficaram claras sua bondade e compaixão. A vida me ensinou a reconhecer os espíritos bondosos e dispostos a ajudar os outros na hora da necessidade."
Essas palavras tocaram profundamente o coração do cavaleiro: "Fico agradecido pelo que o senhor falou", disse ao velho. "Espero nunca ficar tão ocupado com meus próprios problemas que deixe de corresponder às necessidades dos outros com bondade e compaixão."
Falando isso, Thomas Jefferson virou seu cavalo e voltou para a Casa Branca.
Autor desconhecido
Histórias para Aquecer o Coração 2
Jack Canfield e Mark Victor Hansen
Editora Sextante

O Caso da Ubuntu África


A jornalista e filósofa Lia Diskin, no Festival Mundial da Paz, em Florianópolis (2006), nos presenteou com um caso de uma tribo na África chamada Ubuntu.
Ela contou que um antropólogo estava estudando os usos e costumes da tribo e, quando terminou seu trabalho, teve que esperar pelo transporte que o levaria até o aeroporto de volta pra casa. Sobrava muito tempo, mas ele não queria catequizar os membros da tribo; então, propôs uma brincadeira para as crianças, que achou ser inofensiva.
Comprou uma porção de doces e guloseimas na cidade, botou tudo num cesto bem bonito com laço de fita e tudo e colocou debaixo de uma árvore. Aí ele chamou as crianças e combinou que quando ele dissesse "já!", elas deveriam sair correndo até o cesto, e a que chegasse primeiro ganharia todos os doces que estavam lá dentro.
As crianças se posicionaram na linha demarcatória que ele desenhou no chão e esperaram pelo sinal combinado. Quando ele disse "já!", instantaneamente todas as crianças se deram as mãos e saíram correndo em direção à árvore com o cesto. Chegando lá, começaram a distribuir os doces entre si e a comerem felizes.
O antropólogo foi ao encontro delas e perguntou porque elas tinham ido todas juntas se uma só poderia ficar com tudo que havia no cesto e, assim, ganhar muito mais doces.
Elas simplesmente responderam: "Ubuntu, tio. Como uma de nós poderia ficar feliz se todas as outras estivessem tristes?"
Ele ficou desconcertado! Meses e meses trabalhando nisso, estudando a tribo, e ainda não havia compreendido, de verdade, a essência daquele povo. Ou jamais teria proposto uma competição, certo?
Ubuntu significa: "Sou quem sou, porque somos todos nós!"
Atente para o detalhe: porque SOMOS, não porque temos...

domingo, 6 de janeiro de 2013

As Três Atitudes


1 - A do vaso, que retém e não dá nada.
2 - A do canal, que dá e não retém.
3 - A da fonte, que produz, dá e retém.
Existem seres humanos-vaso, cuja única meta é armazenar conhecimentos, objetos e dinheiro. São aqueles que acreditam saber tudo que há para saber: ter tudo o que há para ter e consideram sua tarefa terminada quando concluíram o armazenamento. Não podem compartilhar sua alegria nem por a serviço dos demais os seus talentos, nem sequer repartir conhecimento. São extraordinariamente estéreis, servidores do seu egoísmo, carcereiros de seu próprio potencial humano.
Por otro lado existem os seres humanos-canal, são aqueles que passam a vida fazendo e fazendo coisas. Seu lema é: "produzir, produzir e produzir". Não estão felizes se não realizam muitas atividades e todas com pressa, sem perder um minuto. Acreditam estar a serviço dos demais, fruto de sua neurose produtiva, quando, na verdade, agir sem parar é o único modo que têm de acalmar suas carências; dão, dão e dão; mas não retêm. Seguem dando e se sentem vazios.
Mas também podemos encontrar seres humanos-fonte, que são verdadeiros mananciais de vida. Capazes de dar sem se esvaziar, de oferecer sua água sem terminarem secos. São aqueles que nos salpicam "gotinhas" de amor, confiança e otimismo, iluminando com seu reflexo nossa própria vida.
Com qual você se identifica?

sábado, 5 de janeiro de 2013

Mudança de Paradigma


   Eu me recordo de uma mudança de paradigma que me aconteceu em uma manhã de domingo, no metrô de Nova York. As pessoas estavam calmamente sentadas, lendo jornais, divagando, descansando com os olhos semicerrados. Era uma cena calma, tranqüila.
       Subitamente um homem entrou no vagão do metrô com os filhos. As crianças faziam algazarra e se comportavam mal, de modo que o clima mudou instantaneamente.
       O homem sentou-se a meu lado e fechou os olhos, aparentemente ignorando a situação. As crianças corriam de um lado para o outro, atiravam coisas e chegavam até a puxar os jornais dos passageiros, incomodando a todos. Mesmo assim o homem a meu lado não fazia nada.
       Ficou impossível evitar a irritação. Eu não conseguia acreditar que ele pudesse ser tão insensível a ponto de deixar que seus filhos incomodassem os outros daquele jeito sem tomar uma atitude. Dava para perceber facilmente que as demais pessoas estavam irritadas também. A certa altura, enquanto ainda conseguia manter a calma e o controle, virei para ele e disse:
       – Senhor, seus filhos estão perturbando muitas pessoas. Será que não poderia dar um jeito neles?
       O homem olhou para mim, como se estivesse tomando consciência da situação naquele exato momento, e disse calmamente:
       – Sim, creio que o senhor tem razão. Acho que deveria fazer alguma coisa. Acabamos de sair do hospital, onde a mãe deles morreu há uma hora. Eu não sei o que pensar, e parece que eles também não conseguem lidar com isso.
       Podem imaginar o que senti naquele momento? Meu paradigma mudou. De repente, eu vi as coisas de um modo diferente, e como eu estava vendo as coisas de outro modo, eu pensavasentia e agia de um jeito diferente. Minha irritação desapareceu. Não precisava mais controlar minha atitude ou meu comportamento, meu coração ficou inundado com o sofrimento daquele homem. Os sentimentos de compaixão e solidariedade fluíram livremente.
       – Sua esposa acabou de morrer? Sinto Muito. Gostaria de falar sobre isso? Posso ajudar em alguma coisa? – Tudo mudou naquele momento.
       Muita gente passa por uma experiência fundamental similar de mudança no pensamento quando enfrenta uma crise séria, encarando suas prioridades sob nova luz. Isso também acontece quando as pessoas assumem repentinamente novos papéis, como marido, esposa, pai, avô, gerente ou líder.
Do livro: "Os sete hábitos das pessoas muito eficazes" de Steven R. Covey - Ed. Best Seller

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

O Princípio 90/10


O que isso quer dizer? Realmente, não podemos evitar que o carro enguice, um avião atrase, um semáforo fique vermelho, etc. Isso representa 10% do que nos sucede. Os restantes 90% serão determinados com nossas reações.
Exemplo: Você esta tomando o café da manhã com sua família. Sua filha, ao pegar a xícara, deixa cair café na sua camisa branca de trabalho. Você não tem controle sobre isto, mas terá sobre o que acontecerá em seguida.
Você se irrita, repreende severamente sua filha, ela começa a chorar. Você censura sua esposa por ter colocado a xícara muito na beirada da mesa e daí, tem o prosseguimento de uma batalha verbal. Contrariado e resmungando, você vai trocar a camisa e voltando, encontra sua filha chorando mais ainda e ela acaba perdendo o ônibus para a escola. Sua esposa vai para o trabalho também contrariada e você tem que levar sua filha de carro para a escola. Como esta atrasado, dirige em alta velocidade é barrado por um guarda de trânsito e multado após 15 minutos de discussão. Deixa sua filha na escola, que desce sem se despedir de você e ao chegar ao escritório, percebe que esqueceu de sua maleta.
Seu dia começou mal e ansioso para terminar o dia, é recebido friamente e em silêncio pela sua esposa e filha, ao chegar em casa.
Por quê seu dia foi tão ruim?
1. Por causa do café?
2. Por causa de sua filha?
3. Por causa de sua esposa?
4. Por causa da multa de trânsito?
5. Por sua causa?
A resposta correta é a de número 5, pois o fator determinante foi a ausência de controle sobre o acontecido.
De outra forma:
O café cai em sua camisa. Sua filha chora e você diz gentilmente a ela: "Esta bem querida, você só precisa ter mais cuidado".
Depois de pegar outra camisa e a pasta executiva, você volta, olha pela janela e vê sua filha pegando o ônibus. Dá um sorriso e ela retribui dando adeus com a mão.
Notou a diferença?
Duas situações iguais com finais opostos. Portanto se alguém fizer um comentário negativo, procure não levar a serio, evitando assim ser afetado e tirando sua energia.
Autor: Stephen Covey

terça-feira, 1 de janeiro de 2013

As sete lições do bambu


Vovô corre aqui! Me explica como essa figueira, árvore frondosa e imensa, que precisava de quatro homens para balançar seu tronco se quebrou, caiu com o vento e com a chuva... este bambu é tão fraco e continua de pé?
Filho, o bambu permanece em pé porque teve a humildade de se curvar na hora da tempestade. A figueira quis enfrentar o vento. O bambu nos ensina sete coisas. Se você tiver a grandeza e a humildade dele, vai experimentar o triunfo da paz em seu coração.
A primeira lição que o bambu nos ensina, e a mais importante, é a humildade diante dos problemas, das dificuldades. Eu não me curvo diante do problema e da dificuldade, mas diante daquele, o único, o princípio da paz, aquele que me chama, que é o Senhor.
A segunda lição: o bambu cria raízes profundas. É muito difícil arrancar um bambu, pois o que ele tem para cima ele tem para baixo também. Você precisa aprofundar a cada dia suas raízes em Deus na oração.
A terceira lição: Você já viu um pé de bambu sozinho? Apenas quando é novo, mas antes de crescer ele permite que nasçam outros a seu lado (como no cooperativismo). Sabe que vai precisar deles. Eles estão sempre grudados uns nos outros, tanto que de longe parecem com uma árvore. Às vezes tentamos arrancar um bambu lá de dentro, cortamos e não conseguimos. Os animais mais frágeis vivem em bandos, para que desse modo se livrem dos predadores.
A quarta lição que o bambu nos ensina é não criar galhos. Como tem a meta no alto e vive em moita, comunidade, o bambu não se permite criar galhos. Nós perdemos muito tempo na vida tentando proteger nossos galhos, coisas insignificantes que damos um valor inestimável. Para ganhar, é preciso perder tudo aquilo que nos impede de subirmos suavemente.
A quinta lição é que o bambu é cheio de "nós" (e não de eu’s). Como ele é oco, sabe que se crescesse sem nós seria muito fraco. Os nós são os problemas e as dificuldades que superamos. Os nós são as pessoas que nos ajudam, aqueles que estão próximos e acabam sendo força nos momentos difíceis. Não devemos pedir a Deus que nos afaste dos problemas e dos sofrimentos. Eles são nossos melhores professores, se soubermos aprender com eles.
A sexta lição é que o bambu é oco, vazio de si mesmo. Enquanto não nos esvaziarmos de tudo aquilo que nos preenche, que rouba nosso tempo, que tira nossa paz, não seremos felizes. Ser oco significa estar pronto para ser cheio do Espírito Santo.
Por fim, a sétima lição que o bambu nos dá é que ele só cresce para o alto. Ele busca as coisas do Alto.