Google+ Badge

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Meio Termo


Certo dia, alguns candidatos a discípulos procuraram o Mullá e pediram-lhe que lhes fizesse uma palestra.
— "Muito bem" — disse ele —, "sigam-me até o salão, do outro lado da praça, onde existe espaço para eu falar a todos vocês.".
Obedientes, eles se alinharam atrás de Nasrudin, que montou no burro às avessas, e começou a afastar-se.
A princípio, os jovens se sentiram confusos, depois se lembraram de que não deviam contestar o menor gesto do Mullá. Finalmente, reconheceram-se incapazes de suportar por mais tempo as zombarias dos transeuntes.
Percebendo-lhes o embaraço, o Mullá se deteve e olhou-os fixamente. O mais atrevido dentre os rapazes aproximou-se:
— "Mulla, não compreendemos direito por que o senhor montou nesse burro às avessas."
— "É muito simples" — replicou o Mullá. — "Vejam bem, se vocês andassem à minha frente, seria uma desconsideração a mim. Por outro lado, e se eu lhes desse as costas, seria uma desconsideração a vocês. Esse é o único meio-termo possível".
Autor desconhecido

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

O Tesouro Inestimável

Era uma vez um andarilho muito sábio que vagava de vila em vila pedindo esmolas e compartilhando os seus conhecimentos nas praças e nos mercados.
Ele estava em uma praça em Akbar quando um homem chegou perto dele e disse:
- "Ontem, uma mago muito poderoso me disse que aqui nesta praça eu encontraria um mendigo, que apesar de sua miserável aparência me daria um tesouro de valor inestimável e que isto mudaria completamente a minha vida. Quando vi você percebi de imediato que era o homem que eu procurava. Por favor, me dê o seu tesouro".
O mendigo olhou para ele sem falar nada, enfiou a mão em um alforje de couro bem desgastado e em seguida estendeu a mão para o homem, dizendo:
- "Deve ser isto então!" Entregando-lhe um diamante enorme.
O outro levou um grande susto e exclamou:
- "Mas! Esta pedra deve ter um valor enorme!"
- "É mesmo? Pode ser. Eu a encontrei no bosque." Disse o mendigo.
- "Muito bem, quanto devo dar por ela?
- "Nada! Para mim ela não serve. Não preciso dela. Se ela lhe serve, leve-a. Não foi isto que o mago lhe disse?". Perguntou o mendigo.
- "Sim, foi isto que ele me disse. Obrigado". Muito confuso, o homem guardou a pedra e foi embora.
Meia hora mais tarde ele voltou. Procura o mendigo na praça e encontrando-o diz:
- "Tome sua pedra e me dê o tesouro".
- "Não tenho nada para lhe dar", disse o mendigo.
- "Tem sim! Quero que me ensine como pôde abrir mão dela sem que isso o incomodasse".
O homem então passou anos ao lado do mendigo até que aprendeu o que era o desapego.
Autor desconhecido

terça-feira, 10 de novembro de 2015

Uma lição do Meu Pai


Existe uma tendência natural para os negócios na minha família. Todos os sete filhos trabalharam na loja do meu pai, a “Nossa Loja de Móveis e Ferramentas”, em Mott, Dakota do Norte, uma pequena cidade nas planícies. Começamos fazendo pequenos serviços, como tirar o pó, arrumar as prateleiras e fazer pacotes, e mais tarde, começamos a atender os clientes. Trabalhando e observando, aprendemos que trabalhar significava mais do que fazer uma venda e sobreviver.
Uma lição eu guardei comigo. Aconteceu pouco antes do Natal. Eu estava na 8ª série e trabalhava todos os fins de tarde, arrumando a seção de brinquedos. Um garotinho de 5 ou 6 anos entrou na loja. Estava vestindo um casaco marrom surrado, com os punhos gastos. O cabelo estava despenteado, e tinha um redemoinho levantado que saía bem no meio da cabeça. Apenas um dos sapatos velhos e gastos tinha cadarço, e mesmo assim estava rasgado. Parecia ser pobre – pobre demais para poder comprar qualquer coisa. Olhava pela seção de brinquedos, pegava isto ou aquilo e depois, com cuidado, colocava de volta no seu devido lugar.
Papai desceu as escadas e foi até ele. Seus olhos azuis sorriram e as covinhas do rosto se tornaram visíveis, enquanto perguntava em que poderia ser útil. O garoto disse que estava procurando um presente de Natal para o irmão. Fiquei impressionada ao ver que papai o tratava com o mesmo respeito que a um adulto. Ele lhe disse para dar uma olhada com calma, e foi o que o garoto fez.
Depois de mais ou menos vinte minutos, o garotinho pegou cuidadosamente um avião de brinquedo, foi até meu pai e disse:
- Quanto custa, senhor?
- Quanto você tem? – papai perguntou.
O garotinho estendeu a mão suada de tanto segurar o dinheiro. Nela havia duas moedas de dez centavos, uma de cinco e duas de um – vinte e sete centavos. O avião de brinquedo custava três dólares e noventa e oito centavos.
- Isto é o suficiente – disse papai, fechando o negócio.
Ainda posso ouvir a resposta do meu pai. Enquanto fazia o pacote, pensei sobre o que tinha visto. Enquanto o garotinho saía da loja, não notei o casaco sujo e surrado, o cabelo despenteado ou o único cadarço rasgado. O que vi foi uma criança radiante segurando um tesouro.
LaVonn Steiner
Do livro: Espírito de Cooperação no Trabalho