Google+ Badge

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Remorsos e Decisões

Presidente Dieter F. Uchtdorf
Segundo Conselheiro na Primeira Presidência


Dieter F. Uchtdorf
Quanto mais nos dedicarmos à busca da santidade e da felicidade, menos provável será que estejamos no caminho do remorso.

Remorsos

Presidente Monson, nós o amamos. Obrigado pelo anúncio inspirado e histórico sobre a construção de novos templos e sobre o trabalho missionário. Devido a eles, estou certo de que grandes bênçãos virão a nós e a muitas futuras gerações.
Queridos irmãos e irmãs, meus queridos amigos! Somos todos mortais. Espero que isso não seja surpresa para ninguém.
Nenhum de nós estará na Terra por muito tempo. Temos um número de anos preciosos, os quais, na perspectiva eterna, mal duram um piscar de olhos.
E então partimos. Nosso espírito “é levado de volta para aquele Deus que [nos] deu vida”.1 Deixamos nosso corpo e as coisas materiais deste mundo para trás ao mover-nos para a próxima esfera da nossa existência.
Quando somos jovens, parece-nos que viveremos para sempre. Achamos que há uma quantidade ilimitada de alvoradas esperando logo além do horizonte, e o futuro nos parece uma estrada ininterrupta que se estende infinitamente a nossa frente.
Contudo, quanto mais velhos ficamos, mais tendemos a olhar para trás e a nos admirar de quão verdadeiramente curta é a estrada. Ficamos assombrados ao ver como os anos passaram tão rapidamente. E começamos a pensar nas escolhas que fizemos e nas coisas que realizamos. Nesse processo, lembramos de muitos momentos agradáveis que nos aquecem a alma e alegram o coração. Mas lembramos dos remorsos — das coisas que gostaríamos de voltar no tempo e mudar.
Uma enfermeira que cuida de doentes terminais disse que geralmente faz uma simples pergunta a seus pacientes quando estes se preparam para deixar esta vida.
“Tem algum remorso?” pergunta ela.2
Essa proximidade do dia final da mortalidade geralmente produz uma clareza de pensamentos e proporciona entendimento e perspectiva. Portanto, quando ela perguntava àquelas pessoas sobre seus remorsos, eles abriam o coração. Refletiam sobre o que teriam mudado se pudessem voltar no tempo.
Ao considerar o que disseram, chamou-me a atenção o quanto os princípios fundamentais do evangelho de Jesus Cristo podem influenciar o rumo de nossa vida para o bem, se simplesmente os colocarmos em prática.
Nada há de misterioso em relação aos princípios do evangelho. Nós os estudamos nas escrituras, trocamos ideias sobre eles na Escola Dominical e os ouvimos do púlpito muitas vezes. Esses princípios e valores divinos são diretos e claros. São belos, profundos e poderosos, e sem dúvida podem ajudar-nos a evitar remorsos futuros.

Gostaria de Ter Passado Mais Tempo com as Pessoas Que Amo

Talvez o remorso mais universal que os pacientes terminais expressaram foi o de que desejariam ter passado mais tempo com as pessoas a quem amavam.
Os homens, em especial, entoam esta lamúria universal: “Lamentam profundamente ter passado tanto tempo de sua vida no moinho [diário] do (…) trabalho”.3 Muitos perderam a oportunidade de criar recordações especiais de momentos que passaram com a família e com os amigos. Sentem falta de ter desenvolvido um vínculo profundo com aqueles que mais significavam para eles.
Não é verdade que com frequência ficamos ocupados demais? Além disso, é triste dizer, até usamos nosso trabalho como uma medalha de honra, como se o fato de estarmos atarefados, por si só, fosse uma realização ou um sinal de uma vida superior.
Mas será que é?
Penso em nosso Senhor e exemplo, Jesus Cristo, e em Sua curta vida em meio ao povo da Galileia e de Jerusalém. Tentei imaginá-Lo correndo de uma reunião para outra ou fazendo mil coisas ao mesmo tempo para cumprir uma lista de coisas urgentes.
Não consigo ver isso.
Em vez disso, vejo o compassivo e carinhoso Filho de Deus vivendo com propósito a cada dia. Quando Ele interagia com as pessoas a Seu redor, elas se sentiam importantes e amadas. Ele conhecia o infinito valor das pessoas que encontrava. Ele as abençoou e ministrou a elas. Ergueu-as e curou-as. Deu-lhes a preciosa dádiva de Seu tempo.
Em nossos dias, é fácil simplesmente fingir que passamos um tempo com as pessoas. Com um clique do mouse podemos “conectar-nos” com milhares de “amigos” sem sequer ter de encarar um só deles. A tecnologia pode ser uma coisa maravilhosa, e é muito útil quando não podemos estar próximos de nossos entes queridos. Minha mulher e eu moramos bem longe de preciosos familiares; sabemos como é isso. Contudo, creio que não estamos indo na direção certa, tanto individualmente quanto como sociedade, quando nos conectamos com a família ou amigos especialmente para repassar imagens bem-humoradas, reencaminhar coisas triviais ou enviar links da Internet a nossos entes queridos. Suponho que haja espaço para esse tipo de atividade, mas quanto tempo estamos dispostos a ocupar-nos com isso? Se deixarmos de compartilhar nossa presença, nosso tempo e nossa atenção exclusiva com aqueles que nos são realmente importantes, um dia teremos remorso disso.
Tomemos a decisão de valorizar aqueles a quem amamos passando um tempo significativo com eles, fazendo coisas juntos e cultivando lembranças preciosas.

Gostaria de Ter Vivido à Altura de Meu Potencial

Outro remorso que as pessoas expressaram foi o de terem deixado de se tornar a pessoa que sentiam que poderiam e deveriam ter sido. Ao rever sua vida, deram-se conta de que nunca viveram à altura de seu potencial, e que muitas possibilidades não foram plenamente aproveitadas.
Não estou falando aqui de galgar a escada do sucesso em nossas várias profissões. Essa escada, por mais sublime que possa parecer nesta Terra, nem chega a representar um único degrau na grande jornada eterna que nos aguarda.
Em vez disso, refiro-me a tornar-nos a pessoa que Deus, nosso Pai Celestial, desejava que fôssemos.
Chegamos a este mundo, como disse o poeta, “trilhando nuvens de glória”,4 vindos da esfera pré-mortal.
Nosso Pai Celestial vê nosso real potencial. Ele sabe coisas a nosso respeito que nós mesmos não sabemos. Ele nos inspira durante a vida a cumprirmos a medida de nossa criação, a vivermos uma boa vida e a retornarmos a Sua presença.
Por que, então, dedicamos tanto de nosso tempo e de nossa energia a coisas que são tão fugazes, tão sem importância e tão superficiais? Por que nos recusamos a ver a insensatez de buscar coisas triviais e temporárias?
Não nos seria mais sensato “[ajuntar] tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam”?5
Como fazemos isso? Seguindo o exemplo do Salvador, incorporando Seus ensinamentos a nosso cotidiano e realmente amando a Deus e a nosso próximo.
Sem dúvida, não podemos realizar isso com uma abordagem de discipulado do tipo “fazer de má vontade”, “ficar olhando para o relógio” ou “reclamar o tempo todo”.
No tocante à aplicação prática do evangelho, não podemos ser como o menino que só molha o dedão do pé na água e diz que nadou. Como filhos e filhas de nosso Pai Celestial, somos capazes de fazer muito mais. Para isso, as boas intenções não são suficientes. Precisamos fazer. E ainda mais importante, precisamos tornar-nos o que o Pai Celestial deseja que sejamos.
É bom declarar nosso testemunho, mas ser um exemplo vivo do evangelho restaurado é melhor. É bom desejar sermos mais fiéis a nossos convênios; mas é bem melhor realmente ser fiel aos convênios sagrados, o que inclui viver de modo virtuoso, pagar nosso dízimo e nossas ofertas, cumprir a Palavra de Sabedoria e prestar serviço aos necessitados. É bom anunciar que vamos dedicar mais tempo à oração familiar, ao estudo das escrituras e a atividades familiares sadias; mas é quando realmente fazemos todas essas coisas com constância que recebemos as bênçãos do céu em nossa vida.
O discipulado é a busca da santidade e da felicidade. É o caminho para uma existência melhor e mais feliz.
Tomemos a decisão de seguir o Salvador e de trabalhar com diligência para nos tornar a pessoa que fomos designados a ser. Ouçamos e obedeçamos aos sussurros do Santo Espírito. Ao fazermos isso, o Pai Celestial vai revelar-nos coisas que não sabíamos a nosso próprio respeito. Ele vai iluminar o caminho a nossa frente e abrir nossos olhos para que vejamos nossos talentos que desconhecíamos ou nem sequer imaginávamos que existiam.
Quanto mais nos dedicarmos à busca da santidade e da felicidade, menos provável será que estejamos no caminho do remorso. Quanto mais confiarmos na graça do Salvador, mais sentiremos que estamos no caminho que nosso Pai Celestial planejou para nós.

Gostaria de Ter-me Permitido Ser Mais Feliz

Outro remorso daqueles que sabem que estão morrendo pode ser de certa forma surpreendente. Eles desejariam ter-se permitido ser mais felizes.
Muito frequentemente temos a ilusão de que há algo que está quase a nosso alcance e que nos traria felicidade — uma melhor situação familiar, uma melhor condição financeira ou o fim de uma provação difícil.
Quanto mais velhos ficamos, mais olhamos para trás e nos damos conta de que as circunstâncias externas realmente não importam nem determinam nossa felicidade.
Nós é que importamos. Nós determinamos nossa felicidade.
Vocês e eu, no final das contas, é que estamos encarregados de nossa própria felicidade.
Minha mulher, Harriet, e eu adoramos andar de bicicleta. É maravilhoso sair ao ar livre e desfrutar as belezas da natureza. Temos certas rotas que gostamos de percorrer de bicicleta, mas não prestamos muita atenção à distância que percorremos ou na rapidez em que viajamos em relação aos outros ciclistas.
Contudo, às vezes, eu penso que deveríamos ser um pouco mais competitivos. Até acredito que conseguiríamos fazer um tempo melhor ou ir mais depressa se apenas nos esforçássemos um pouco mais. E às vezes até cometo o grande erro de mencionar essa ideia para minha maravilhosa esposa.
Sua reação típica para minhas sugestões dessa natureza é sempre muito bondosa, bem clara e muito direta. Ela sorri e diz: “Dieter, não estamos numa corrida, é um passeio. Desfrute o momento”.
Como ela está certa!
Às vezes na vida, ficamos tão concentrados na linha de chegada que deixamos de encontrar alegria na jornada. Não saio para andar de bicicleta com minha mulher porque estou entusiasmado com a chegada. Eu vou porque a oportunidade de estar com ela é muito agradável e prazerosa.
Não parece tolice destruir experiências pessoais agradáveis e felizes por estarmos constantemente ansiando pelo momento em que elas chegarão ao fim?
Será que ouvimos uma bela música esperando que a nota final deixe de soar antes de nos permitir desfrutá-la de verdade? Não. Ouvimos e nos conectamos com as variações da melodia, do ritmo e com a harmonia da composição musical.
Será que fazemos oração tendo apenas o “amém” ou o final dela em mente? É claro que não. Oramos para nos aproximar de nosso Pai Celestial, para receber Seu Espírito e sentir Seu amor.
Não devemos esperar até que cheguemos a um ponto futuro para sermos felizes, ou para descobrir que a felicidade já estava a nosso alcance — o tempo todo! A vida não foi feita apenas para ser apreciada retrospectivamente. “Este é o dia que fez o Senhor (…)”, escreveu o salmista. “Regozijemo-nos, e alegremo-nos nele.”6
Irmãos e irmãs, sejam quais forem as circunstâncias, sejam quais forem nossos desafios ou nossas provações, há algo em cada dia para entesourar e valorizar. Há algo em cada dia que pode suscitar gratidão e alegria, se apenas o virmos e apreciarmos.
Talvez devêssemos olhar menos com os olhos e mais com o coração. Adoro esta citação: “Só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos”.7
Somos ordenados a “render graças por todas as coisas”.8 Então não seria melhor ver com os olhos e o coração até as pequenas coisas pelas quais podemos ser gratos, em vez de magnificar as coisas negativas em nossa situação atual?
O Senhor prometeu: “E aquele que receber todas as coisas com gratidão será glorificado; e as coisas desta Terra ser-lhe-ão acrescentadas, mesmo centuplicadas”.9
Irmãos e irmãs, com as abundantes bênçãos de nosso Pai Celestial, Seu generoso plano de salvação, as sublimes verdades do evangelho restaurado e as muitas belezas desta jornada mortal, “não temos razão para regozijar-nos?”10
Decidamos ser felizes, independentemente de nossa situação.

Decisões

Um dia, daremos aquele passo inevitável e passaremos desta esfera mortal para o estado seguinte. Um dia, olharemos para trás em nossa vida e nos perguntaremos se poderíamos ter agido melhor, tomado decisões melhores ou usado nosso tempo com mais sabedoria.
Para evitar alguns dos remorsos mais profundos da vida, seria sensato tomarmos algumas decisões hoje. Portanto, vamos:
  1. Decidir passar mais tempo com aqueles a quem amamos.
  2. Decidir esforçar-nos mais sinceramente para tornar-nos a pessoa que Deus deseja que sejamos.
  3. Decidir encontrar felicidade, independentemente de nossa situação.
É meu testemunho que muitos dos mais profundos remorsos de amanhã podem ser evitados se seguirmos o Salvador hoje. Se tivermos cometido pecados ou erros — se fizemos escolhas das quais agora sentimos remorso — há a preciosa dádiva da Expiação de Cristo, por meio da qual podemos ser perdoados. Não podemos voltar no tempo e mudar o passado, mas podemos nos arrepender. O Salvador pode enxugar nossas lágrimas de remorso11 e remover o fardo de nossos pecados.12 Sua Expiação permite que deixemos o passado para trás e que prossigamos com mãos limpas, com um coração puro13 e com a determinação de agir melhor e especialmente de nos tornarmos melhores.
Sim, esta vida passa rapidamente. Nossos dias parecem sumir velozmente, e a morte parece assustadora, às vezes. Não obstante, nosso espírito continuará a viver e um dia será unido a nosso corpo ressuscitado para receber glória imortal. Presto solene testemunho de que graças ao misericordioso Cristo, todos viveremos novamente e para sempre. Graças a nosso Salvador e Redentor, um dia compreenderemos realmente e nos regozijaremos com o significado das palavras “o aguilhão da morte é desfeito em Cristo”.14
O caminho para o cumprimento de nosso destino divino como filhos e filhas de Deus é eterno. Queridos irmãos e irmãs, queridos amigos, precisamos começar a trilhar esse caminho eterno hoje. Não podemos desperdiçar um único dia sequer. Oro para que não esperemos até estarmos prestes a morrer para realmente aprendermos a viver. No sagrado nome de Jesus Cristo. Amém.

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Lealdade

Gordon B. Hinckley
President of the Church
Conferência Geral - Abril de 2003


Gordon B. Hinckley
Sejam leais ao que há de melhor em vocês. Sejam fiéis e leais aos convênios relacionados ao sacerdócio de Deus.
Não há nenhuma reunião em todo o mundo que se compare a esta. Onde quer que estejamos, seja qual for a língua que falemos, somos todos homens em cuja cabeça foram impostas mãos para que recebêssemos o sacerdócio de Deus. Quer sejamos rapazes que receberam o sacerdócio menor ou Aarônico, ou homens que receberam o sacerdócio maior ou de Melquisedeque, a todos nós foi concedido algo maravilhoso e magnífico, que faz parte da própria essência de Deus.
Repito que não há nenhuma reunião como esta em todo o mundo. Reunimo-nos pelos laços da fraternidade, em uma vasta congregação de homens que foram investidos de poder ou autoridade, tendo sido honrados com o privilégio de falar e agir em nome do Todo-Poderoso. O Senhor Deus do céu considerou adequado conferir-nos parte daquilo que é exclusivamente Seu. Muitas vezes me pergunto se somos dignos disso. Pergunto-me se realmente o apreciamos. Maravilho-me com a natureza infinita deste poder e autoridade. Ele está relacionado com a vida e a morte, com a família e a Igreja, com a grandiosa e transcendental natureza do próprio Deus e de Sua obra eterna.
Irmãos, cumprimento-os como membros dos quóruns do santo sacerdócio. Cumprimento-os como servos do Deus vivo que recebemos, cada um de nós, uma responsabilidade da qual não podemos eximir-nos.
De modo condizente com essa saudação, decidi falar a vocês sobre os vários aspectos de uma certa palavra. Essa palavra é lealdade.
Penso que lealdade significa sermos verdadeiros com nós mesmos. Penso que significa sermos absolutamente fiéis à companheira que escolhemos. Penso que lealdade significa sermos absolutamente leais à Igreja e aos muitos aspectos de suas atividades. Penso que significa sermos inequivocamente fiéis ao Deus do céu, nosso Pai Eterno, e a Seu Amado Filho, nosso Redentor, o Senhor Jesus Cristo.
Precisamos ser verdadeiros em relação ao que há de melhor em nós. Somos filhos de Deus, tendo recebido a honra de sermos portadores de Sua autoridade divina. No entanto, vivemos num mundo cheio de males. Há um poder que constantemente tenta atrair-nos, convidando-nos a partilhar de coisas que são totalmente incompatíveis com o divino sacerdócio que possuímos. É interessante observar como o pai da mentira, aquele astuto filho da alva que foi expulso do céu, sempre teve os meios e a capacidade de tentar, convidar e conduzir para seus caminhos aqueles que não são fortes e atentos. Muito recentemente, um certo filme foi aclamado como o melhor do ano. Não assisti a esse filme e não pretendo fazê-lo. Mas ouvi dizer que está repleto de cenas de sexo e que se usa linguagem profana por todo o filme.
A pornografia é uma das marcas registradas de nossos tempos. Seus produtores ficam ricos com a credulidade daqueles que gostam de ver essas coisas. No início da revelação que chamamos de Palavra de Sabedoria, o Senhor declara: “Devido a maldades e desígnios que existem e virão a existir no coração de homens conspiradores nos últimos dias, eu vos adverti e previno-vos, dando-vos esta palavra de sabedoria por revelação”. (D&C 89:4)
Ele então continua a revelação, falando do alimento que ingerimos. A mesma linguagem poderia ser aplicada com referência ao que colocamos em nossa mente quando nos permitimos ver pornografia.
Irmãos, todo homem e rapaz ao alcance de minha voz sabe que isso é degradante. Vocês não precisam de um mapa para saber aonde essa permissividade irá levá-los. Comparem essas coisas com a beleza, a paz e o maravilhoso sentimento que temos ao viver próximos do Senhor e elevar-nos acima das traiçoeiras e entorpecedoras práticas que estão a nosso redor.
Isso se aplica a vocês, meus caros rapazes que estão nesta reunião. Vocês são alvos especiais do adversário. Se ele conseguir conquistá-los agora, ele sabe que irá dominá-los pelo resto da vida. Foram implantados dentro de vocês alguns poderes e instintos maravilhosos para um propósito divino. Contudo, quando eles são corrompidos, tornam-se destruidores em vez de construtores.
Sinto-me profundamente grato pela força de nossos jovens. Sei também, contudo, que alguns se afastam de nós. Toda perda é uma tragédia. O reino de nosso Senhor precisa de vocês. Sejam dignos dele. Sejam leais ao melhor que há em vocês. Nunca cedam a nada que faça diminuir sua força para resistir ao mal.
Para vocês, homens, lanço um desafio. Fujam da torrente de imundície que pode sobrepujá-los. Fujam dos males do mundo. Sejam leais ao seu lado bom. Sejam leais ao que há de melhor em vocês. Sejam fiéis e leais aos convênios relacionados ao sacerdócio de Deus. Não é possível chafurdar na lascívia, mentir, enganar, tirar vantagem dos outros injustamente sem negar o toque de divindade que todos temos ao chegar a esta vida. Oro com todas as minhas forças, irmãos, para que nos elevemos acima disso e sejamos leais ao que há de melhor em nós.
Sejam leais em seu relacionamento familiar. Testemunhei muita coisa boa e muita coisa ruim nos casamentos. Todas as semanas tenho a responsabilidade de cuidar de pedidos de cancelamento do selamento no templo. O divórcio tornou-se um fenômeno muito comum em todo o mundo. Mesmo em lugares onde isso é ilegal, homens e mulheres simplesmente ignoram a lei e passam a viver juntos. Sou grato por poder dizer que o divórcio é muito menos freqüente entre as pessoas que se casaram no templo. Mas mesmo entre essas pessoas, há muito mais divórcios do que deveria haver.
O noivo e a noiva entram na casa do Senhor professando amar um ao outro. Fazem solenes e eternos convênios um com o outro e com o Senhor. Seu relacionamento é selado num acordo eterno. Ninguém espera que todo casamento funcione perfeitamente. Mas podemos esperar que todo casamento realizado na casa do Senhor carregue consigo um convênio de lealdade mútua.
Descobri há muito tempo que um dos maiores fatores para um casamento feliz é a cuidadosa preocupação com o conforto e o bem-estar do companheiro. Na maioria dos casos, o egoísmo é o fator principal que causa brigas, separações, divórcios e sofrimento.
Irmãos, o Senhor espera algo melhor de nós. Ele espera algo melhor do que aquilo que se vê no mundo. Nunca esqueçam que foram vocês que escolheram sua companheira. Foram vocês que sentiram que não havia ninguém no mundo semelhante a ela. Foram vocês que desejaram tê-la a seu lado para sempre. Mas, em muitos casos, a imagem do que aconteceu no templo desaparece. Um desejo lascivo pode ser a causa disso. Os elogios são substituídos pelas críticas. Quando procuramos o pior em alguém, sempre encontramos. Mas se nos concentrarmos no melhor, esse aspecto crescerá até começar a brilhar.
Tenho minhas próprias experiências pessoais. Minha esposa e eu em breve completaremos 66 anos de casados. Não sei como ela conseguiu me aturar por todo esse tempo. Agora estamos velhos. Mas sou imensamente grato por ela. Estou sempre muito preocupado para que ela tenha conforto. Desejo muito o melhor para ela. Que maravilhosa companheira ela tem sido. Que esposa maravilhosa e mãe, avó e bisavó magnífica ela é!
Vocês evidentemente já ouviram falar do homem que viveu até uma idade avançada, e os repórteres lhe perguntaram a que atribuía sua longevidade. Ele respondeu, que quando ele e sua mulher se casaram, decidiram que se viessem a discutir, um deles sairia da casa e daria uma volta fora de casa. Ele disse: “Senhores, atribuo minha longevidade ao fato de ter respirado muito ar fresco durante todos esses muitos anos”.
Irmãos, sejam leais à sua companheira. Que seu casamento seja abençoado com uma lealdade mútua inquebrantável. Sejam felizes um com o outro. Dêem à sua companheira a oportunidade de desenvolver-se em seus próprios interesses, de aprimorar seus talentos, de crescer a seu próprio modo, de ter seu próprio senso de realização.
Gostaria agora de dizer uma palavra a respeito da lealdade à Igreja.
Vemos muita indiferença. Há aqueles que dizem: “A Igreja não pode-me dizer como devo pensar a respeito disso ou daquilo ou como viver a minha vida”.
Não, replico, a Igreja não pode ditar a um homem o que ele deve pensar ou o que deve fazer. A Igreja aponta o caminho e convida cada membro a viver o evangelho e desfrutar as bênçãos decorrentes desse tipo de vida. A Igreja não ditará regras a nenhum homem, mas, sim, irá aconselhar, persuadir, admoestar e esperar lealdade daqueles que professam ser membros dela.
Quando eu era estudante universitário, disse a meu pai, certa vez, que achava que as Autoridades Gerais tinham ido além de suas prerrogativas quando defenderam uma determinada questão. Meu pai era um homem muito bondoso e sábio. Ele disse: “O Presidente da Igreja nos instruiu, e eu o apóio como profeta, vidente e revelador, e pretendo seguir seu conselho”.
Já sirvo nos conselhos gerais desta Igreja há 45 anos. Servi como Assistente dos Doze, como membro dos Doze, como Conselheiro na Primeira Presidência e agora, há oito anos, como Presidente. Quero prestar-lhes meu testemunho de que embora tenha literalmente participado de milhares de reuniões em que foram discutidos normas e programas da Igreja, jamais estive em uma na qual a orientação do Senhor não tenha sido buscada ou que houvesse qualquer desejo por parte de qualquer dos presentes de defender algo ou fazer qualquer coisa que fosse injuriosa ou coerciva em relação a qualquer pessoa.
O livro de Apocalipse declara: “Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente; quem dera foras frio ou quente!
Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca”. (Apocalipse 3:15–16)
Faço-lhes a promessa, meus queridos irmãos, de que enquanto estiver servindo em minha atual responsabilidade jamais consentirei nem defenderei qualquer norma, programa, doutrina que não seja benéfica para os membros desta Igreja do Senhor.
Esta é a Sua obra. Ele a estabeleceu. Ele revelou sua doutrina. Determinou suas práticas. Criou seu governo. Esta é Sua obra e Seu reino, e Ele disse: “Os que não estão comigo estão contra mim”. (2 Néfi 10:16)
Em 1933, houve um movimento nos Estados Unidos para derrubar a lei que proibia o comércio de bebidas alcoólicas. Quando ela foi votada, Utah foi o estado que decidiria a questão.
Eu estava na missão, trabalhando em Londres, Inglaterra, quando li as manchetes de jornal que anunciavam: “Utah Derruba a Lei Seca”.
O Presidente Heber J. Grant, que na época era Presidente desta Igreja, tinha pedido a nosso povo que votasse contra a suspensão da Lei Seca. Ele ficou muito triste ao ver que muitos membros da Igreja deste estado não deram ouvidos a seu conselho.
Neste momento, não quero falar sobre os bons ou maus aspectos da Lei Seca, mas, sim, a respeito da lealdade inquebrantável à Igreja e a seus líderes.
Quão grato sou, irmãos, quão profundamente grato sou pela imensa fé manifestada por muitos santos dos últimos dias que, ao se verem diante de uma decisão importante em que a Igreja assumiu uma posição, se colocaram a favor dessa posição. Sinto-me particularmente grato por poder dizer que entre essas pessoas leais estão homens e mulheres bem-sucedidos, empreendedores, instruídos, influentes e fortes — indivíduos muito inteligentes e capazes.
Todos temos que encarar esta questão: Ou a Igreja é verdadeira ou é uma fraude. Não há meio-termo. Esta é a Igreja e o reino de Deus, ou não é nada!
Obrigado, meus queridos irmãos, vocês que são homens de grande força, fidelidade, fé e lealdade.
Por fim, a lealdade a Deus, nosso Pai Eterno e Seu Amado Filho, o Senhor Jesus Cristo.
Todo homem desta Igreja tem o direito de saber que Deus é nosso Pai Eterno e que Seu Filho Amado é nosso Redentor. O Salvador deu-nos a chave pela qual podemos adquirir esse conhecimento. Ele declarou: “Se alguém quiser fazer a vontade dele, pela mesma doutrina conhecerá se ela é de Deus, ou se eu falo de mim mesmo”. (João 7:17)
Judas Iscariotes entrou para a história como o grande traidor, que vendeu sua lealdade por 30 moedas de prata. (Ver Mateus 26:15.)
Quantas pessoas, em nossos dias, citando as palavras de Paulo, “de novo crucificam o Filho de Deus, e o expõem ao vitupério”, com linguagem profana e blasfema? (Ver Hebreus 6:6.)
Vocês conhecem a linguagem profana das escolas e das ruas. Não a usem. Nunca deixem que ela cruze seus lábios. Demonstrem sua lealdade ao Deus do céu e ao Redentor do mundo mantendo sagrado o nome Deles.
Orem a seu Pai Celestial em nome do Senhor Jesus Cristo e sempre, em todas as circunstâncias, demonstrem sua lealdade e seu amor pelo seu próprio modo de viver.
Quem segue ao Senhor?
Hoje iremos ver;
Clamemos sem temor
Quem segue ao Senhor?
(Hinos, nº 150)
Que as bênçãos do céu estejam com vocês e sua família, meus queridos irmãos. Que todos nós sejamos sempre fiéis e leais, sendo homens e rapazes de integridade e lealdade absoluta, é minha oração no sagrado nome de Jesus Cristo. Amém.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Integridade: Alicerce de uma Vida Cristã


ÉLDER TAD R. CALLISTER

Extraído de um discurso devocional proferido em 6 de dezembro de 2011, na Universidade Brigham Young. Para o texto integral em inglês, acesso o site speeches.byu.edu.Integridade é a coragem de fazer o certo a despeito das consequências e da inconveniência.
A peça clássica de Robert Bolt Um Homem para a Eternidade conta a história de Sir Thomas More. Ele se distinguiu como estudioso, advogado, embaixador e, por fim, como primeiro-ministro da Inglaterra. Era um homem de absoluta integridade. A peça se inicia com estas palavras proferidas por Sir Richard Rich: “Todo homem tem seu preço! (…) Em dinheiro também. (…) Ou em prazeres. Títulos, mulheres, posses, sempre existe algo”.1
Esse é o tema da peça. Também é o tema da vida. Há alguma mulher ou homem neste mundo que não possa ser comprado, cuja integridade não tenha preço?
No desenrolar da peça, o rei Henrique VIII desejava divorciar-se da rainha Catarina e casar-se com Ana Bolena. Mas havia um problema: o divórcio era proibido pela Igreja Católica. Então o rei Henrique VIII, sem querer ver seus desejos frustrados, exigiu que seus súditos jurassem apoiá-lo em seu divórcio. Mas havia outro problema.
Sir Thomas More, que era amado e admirado pelo povo, não o apoiava — sua consciência não permitia que assinasse o juramento. Ele não se dispunha a submeter-se, mesmo a um pedido pessoal do rei. Então vieram as provações. Seus amigos empregaram sua persuasão e pressão, mas ele não cedeu. Ele foi despojado de sua riqueza, de seu cargo e de sua família, mas não quis assinar. Por fim, foi falsamente julgado por sua vida, mas ainda assim não sucumbiu.
Tiraram-lhe seu dinheiro, seu poder político, seus amigos e sua família — e iam tirar-lhe a vida — mas não podiam tirar dele sua integridade. Ela não estava à venda por preço algum.
No ponto culminante da peça, Sir Thomas More foi falsamente julgado por traição. Sir Richard Rich cometeu o perjúrio necessário para condená-lo. Quando Sir Richard saía do tribunal, Sir Thomas More lhe perguntou: “Você está usando um emblema de cargo. (…) Do que se trata?”
O promotor Thomas Cromwell responde: “Sir Richard foi nomeado Procurador-Geral do País de Gales”.
More então encarou Rich com grande desprezo e retrucou: “Pelo País de Gales? Ora, Richard, de nada vale um homem trocar a alma pelo mundo inteiro. … Mas pelo País de Gales!”2
Na vida futura, sem dúvida muitos vão relembrar o passado em meio a soluços incontroláveis e repetir incessantemente: “Por que vendi minha alma em troca do País de Gales ou de prazeres físicos momentâneos, ou da fama, ou de uma nota, ou da aprovação de meus amigos? Por que vendi minha integridade por um preço?”

Princípios de Integridade

Gostaria de abordar sete princípios de integridade que espero que inspirem muitos a fazer desse atributo cristão um traço de caráter fundamental em sua vida pessoal.
1. A integridade é o alicerce de nosso caráter e de todas as outras virtudes. Em 1853, os santos deram início à construção do Templo de Salt Lake. Por quase dois longos e árduos anos, os santos cavaram e firmaram os alicerces, com quase três metros de profundidade, feitos de arenito. Certo dia, o mestre de obras procurou o Presidente Brigham Young com esta notícia devastadora: havia rachaduras nos blocos de arenito. Brigham Young se viu diante deste dilema: (1) fazer o melhor que pudessem para fechar as rachaduras e construir um templo bem menos pesado e grandioso que o previsto ou (2) arrancar do solo dois anos de trabalho e substituí-los por alicerces de granito que poderiam sustentar o magnífico templo que Deus projetara para eles. Felizmente, o Presidente Young decidiu-se pela segunda opção.3
A integridade é o alicerce sobre o qual são edificados o caráter e uma vida semelhante à de Cristo. Se houver rachaduras nesse alicerce, ele não sustentará o peso de outros atributos cristãos que terão de ser edificados sobre ele. Como podemos ser humildes se carecermos da integridade para reconhecer nossas próprias fraquezas? Como podemos desenvolver caridade pelas pessoas se não formos totalmente honestos ao lidar com elas? Como podemos nos arrepender e ser puros se confessarmos apenas parte da verdade ao bispo? A integridade está na raiz de toda virtude.
O escritor cristão C. S. Lewis observou que assim que cometemos um erro numa equação matemática, não podemos simplesmente prosseguir: “Quando começamos uma soma da maneira errada, quanto antes admitirmos isso e voltarmos e recomeçarmos, mais rapidamente progrediremos”.4
Da mesma forma, só poderemos continuar a adquirir plenamente outras virtudes cristãs depois de fazermos da integridade o alicerce de granito de nossa vida. Em alguns casos, isso pode exigir que passemos pelo doloroso processo de arrancar o alicerce existente edificado sobre falsidades e o substituirmos, pedra por pedra, por um alicerce de integridade. Mas é possível.
2. Integridade não é apenas fazer o que é legalmente correto, mas o que é moral ou cristão. Talvez seja legalmente permitido cometer adultério, pode ser legalmente permitido ter relações físicas pré-conjugais, talvez seja legalmente permitido falar mal de alguém, mas nenhuma dessas ações é moral ou cristã. A integridade não é apenas a aderência a um código legal. É também a aderência ao código moral mais elevado. É como sugeriu o presidente dos Estados Unidos Abraham Lincoln: viver de acordo com “os melhores anjos de nossa natureza”.5
Todo rapaz tem o dever moral de proteger e preservar a virtude da moça com quem sai, e toda moça tem o dever moral recíproco em relação ao rapaz com quem sai. Esse é o teste de sua integridade. O homem ou a mulher que se esforça em ser íntegro desenvolve uma determinação e uma disciplina que transcendem até as mais fortes paixões das emoções físicas. É essa integridade a Deus e a si mesmo e aos outros que os sustém e os capacita, mesmo quando Satanás desfere sobre eles seu ataque com seu arsenal de tentações morais. Para esta geração, o Senhor disse: “Levantarei para mim um povo puro” (D&C 100:16). Deus conta conosco para ser essa geração.
Há alguns anos, meu sócio e eu precisamos despedir um funcionário. Depois de trocar algumas ideias, chegamos a um consenso sobre como compensá-lo por seus serviços. Senti que o acordo foi mais do que justo, mas mesmo assim as negociações acabaram gerando certa tensão no relacionamento. Naquela noite, senti-me muito mal. Tentei afastar o sentimento, racionalizando comigo que eu tinha sido justo, mas o sentimento não desapareceu. Então, tive este sentimento: “Não basta ser justo, é preciso esforçar-se para agir como Cristo agiria”. A aderência ao mais elevado código moral é a marca registrada de um homem ou de uma mulher que tem integridade.
3. A integridade toma decisões com base nas implicações eternas. Uma das moças de nossa ala estava fazendo uma prova na escola do Ensino Médio local. Ao erguer o rosto, viu uma de suas amigas colando. A outra viu que ela a observava. Constrangida, a amiga deu de ombros e disse com os lábios: “Preciso dessa nota”. Por algum motivo, aquela moça havia perdido sua visão eterna: não são as notas, mas, sim, a divindade que é nosso destino. De que adiantaria para alguém ser aceito na universidade de maior prestígio, mas com isso perder sua exaltação? Toda vez que alguém trapaceia, troca seu legado espiritual por um prato de lentilhas (ver Gênesis 25:29–34). Em sua visão curta, ele prefere uma moeda hoje em vez de riquezas infinitas na vida futura.
Um pai decepcionado contou-me certa vez que sua filha adolescente queria “viver a vida” e depois, três meses antes de seu casamento, ela pretendia acertar sua situação para poder receber uma recomendação para o templo. Não conheço nenhum presidente de estaca que daria uma recomendação nessas circunstâncias. Mas mesmo que fosse dada, seria uma maldição, e não uma bênção. A integridade não tem visão curta, não é apenas uma mudança de comportamento temporária. É uma mudança permanente de natureza.
O rei Benjamim contou-nos como podemos mudar nossa natureza, passando de homem natural para um homem espiritual: “Porque o homem natural é inimigo de Deus e tem-no sido desde a queda de Adão e sê-lo-á para sempre; a não ser que ceda ao influxo do Santo Espírito e despoje-se do homem natural e torne-se santo pela expiação de Cristo, o Senhor; e torne-se como uma criança, submisso, manso, humilde, paciente, cheio de amor, disposto a submeter-se a tudo quanto o Senhor achar que lhe deva infligir, assim como uma criança se submete a seu pai” (Mosias 3:19; grifo do autor).
A mudança de nossa natureza, e não só de nosso comportamento, é facilitada por uma perspectiva eterna de que somos filhos de Deus, de que temos Sua centelha de divindade dentro de nós e de que por meio da Expiação podemos tornar-nos semelhantes a Ele, que é o modelo perfeito de integridade.
4. A integridade é revelar toda a verdade e nada mais que a verdade. Creio que o Senhor pode tolerar nossas fraquezas e nossos erros, desde que demonstremos o desejo e o empenho de nos arrepender. Esse é o propósito da Expiação. Mas não creio que Ele tolere facilmente um coração ardiloso ou uma língua mentirosa.
Há alguns anos, visitei uma missão. Alguns dos missionários estavam tendo dificuldades para ser obedientes. Naquela noite, o presidente da missão e eu entrevistamos alguns dos missionários. Na manhã seguinte, o presidente da missão deu início a nossa conferência de zona com um discurso magistral sobre integridade. Senti-me inspirado a falar mais sobre o assunto. Percebi que em alguns momentos estaríamos realizando outras entrevistas. Pedimos aos missionários que não revelassem a verdade apenas quando lhes fossem feitas perguntas perfeitas e precisas.
O Espírito estava ali, e quatro missionários, entrevistados na noite passada, procuraram-nos em particular e disseram: “Temos mais coisas para confessar”. Um deles disse: “Quero ser um homem honesto”. Naquele dia, ele trocou seu alicerce de areia por um alicerce de granito de integridade.
5. A integridade não apresenta álibis ou desculpas. Há algo muito nobre no homem ou na mulher que admite suas fraquezas e assume a culpa sem apresentar álibis ou desculpas. Em muitas ocasiões, Joseph Smith relatou suas fraquezas em Doutrina e Convênios, para que todos lessem. Isso mostra que ele não era perfeito, mas também que não tinha nada a esconder: era um homem íntegro. Como isso afeta sua credibilidade quando ele nos conta a história da Primeira Visão ou das visitas de Morôni? Isso mostra que podemos confiar nele, que podemos acreditar em cada palavra sua porque ele é, realmente, um homem íntegro.
6. A integridade é o cumprimento de nossos convênios e de nossos compromissos, mesmo nos momentos inconvenientes. A integridade é a coragem de fazer o certo, independentemente das consequências ou da inconveniência. O Presidente N. Eldon Tanner (1898–1982), que foi Primeiro Conselheiro na Primeira Presidência, contou a seguinte experiência pessoal:
“Um jovem me procurou há algum tempo e disse: ‘Fiz um trato com um homem que exige que eu lhe pague determinada quantia a cada ano. Estou com as contas atrasadas e não posso efetuar esses pagamentos, porque se fizer isso, vou perder minha casa. Como devo agir?’
Olhei para ele e disse: ‘Cumpra o trato’.
‘Mesmo se isso me custar a casa?’
Respondi: ‘Não estou falando de sua casa. Estou falando de seu trato, e acho que sua mulher preferiria ter um marido que cumpre sua palavra, suas obrigações, seus compromissos ou seus convênios e mora numa casa alugada a ter um marido que não cumpre seus convênios e seus compromissos’”.6
Ele tinha uma escolha difícil: sua casa ou sua integridade. Um homem ou uma mulher que tem integridade não cede nem sucumbe meramente porque algo é difícil, dispendioso ou inconveniente. A esse respeito, o Senhor tem um senso perfeito de integridade. Ele disse: “Quem sou eu (…) para prometer e não cumprir?” (D&C 58:31).
Um dos severos testes de nossa integridade é saber se cumpriremos os compromissos e as promessas que fizemos ou se quebraremos nossa palavra.
7. A integridade não é governada pela presença de outros. Ela tem uma motivação interna, e não externa. O Élder Marion D. Hanks (1921–2011), dos Setenta, contou a história de um homem e de seu filho pequeno que “pararam em um campo de milho isolado em uma estrada rural afastada” e viram as deliciosas espigas do outro lado da cerca. O pai, depois de olhar para frente, para trás, para a esquerda e para a direita, “começou a escalar a cerca” para apanhar algumas espigas de milho. O filho olhou para ele e disse em tom reprovador: “Pai, você se esqueceu de olhar para cima”.7
Na peça Hamlet, de Shakespeare, Polônio diz a seu filho Laerte:
Sê verdadeiro contigo mesmo,
E assim como a noite segue o dia,
Não serás falso com nenhum outro homem.8
Que conselho maravilhoso! Temos escolha. Podemos aproveitar a ocasião e assumir o controle de nossa vida ou tornar-nos meros fantoches de nosso ambiente e das pessoas a nossa volta.
Você veria pornografia em frente de sua mãe, sua namorada, sua esposa ou seu bispo? Se for errado na presença de outros, é igualmente errado na ausência deles. O homem íntegro que é leal a si mesmo e a Deus escolhe o certo, quer haja alguém olhando ou não, porque tem uma motivação interna e não é controlado externamente.
Que a integridade de nossa alma ostente uma placa com a seguinte inscrição em letras grandes: “NÃO ESTÁ À VENDA POR PREÇO ALGUM”. Assim se dirá de nós, como foi dito de Hyrum Smith: “Bem-aventurado é meu servo Hyrum Smith; pois eu, o Senhor, amo-o pela integridade do seu coração” (D&C 124:15).
Que todos nos tornemos homens e mulheres íntegros — não porque precisamos, mas porque queremos. O Senhor anunciou a recompensa para quem assim o fizer: “Em verdade vos digo: Todos os que, dentre eles, souberem que seu coração é honesto (…) e que estiverem dispostos a observar seus convênios por meio de sacrifício (…) esses serão aceitos por mim” (D&C 97:8; grifo do autor).
Que todos sejamos aceitos por Deus, porque nos esforçamos por ser homens e mulheres íntegros.

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

O bom humor faz bem, inclusive no trabalho



É inegável que cada vez mais as pessoas são submetidas a ambientes estressantes. Basta apenas parar e observar o comportamento dos motoristas em horário de pico. Raras são as fisionomias que em um trânsito lento mostram-se "leves" e sem testas franzidas. Quando se chega ao trabalho, o indivíduo pode deparar-se apenas com a rede da internet lenta, por uns mininutos, mas isso é suficiente para fazê-lo "soltar fumaça" pelas narinas e considerar que todo o seu dia de trabalho será um verdadeiro caos. O remédio para aliviar toda essa tensão pode simples e não custa um único centavo: sorrir um pouco.
O simples ato de rir ajuda, por exemplo, o ser humano a liberar serotoninas e endorfinas - neurotransmissores que se disseminam por todo corpo e que proporcionam uma imensa sensação de bem-estar e prazer. A teoria de que sorrir faz bem a qualquer um, independentemente da idade, não é recente e tem sido adotada até em alguns casos que auxiliam no tratamento de pessoas enfermas. Um filme que retrata muito bem essa linha de pensamento é "Patch Adams - O Amor é Contagiante" (1998), uma comédia dramática, dirigida por Tom Shadyac, que levou às telas o ator Robin Williams que interpretou um famoso médico norte-americano.
Para ajudar os colaboradores a enfrentarem tanto os problemas organizacionais quanto os pessoais com alguma leveza, algumas empresas apostam no bom humor e dão uma "força extra" para que eles encontrem tempo para dar um sorriso e compreendam que viver não significa, obrigatoriamente, estar "ligado" numa alta voltagem. Na LG Sistemas - empresa que atua no segmento tecnológico, o bom humor faz parte dos valores organizacionais e está inserido no dia a dia de cada talento. De acordo com Karina Pimentel, gerente de RH, o aumento da competitividade, ocasionado pelo evento da globalização e pela acirrada corrida empresarial em busca da manutenção das suas sobrevivências neste novo cenário, acarretou em um ambiente de trabalho de maior pressão e consequentemente trabalhadores com maiores níveis de estresse e ansiedade.
Esses dois vilões do bom humor, o estresse e a ansiedade, contribuíram para uma significativa piora dos relacionamentos interpessoais, o que gerou uma predisposição maior para a presença de conflitos no ambiente corporativo e a instalação de doenças ocupacionais. "Diante desse contexto, as organizações começam a investir em políticas de qualidade de vida no trabalho. Posterior a isso, percebem-se investimentos em políticas de qualidade de vida dentro e fora do ambiente de trabalho, ou seja, as organizações passaram a adotaruma visão holística dos seus colaboradores, preocupando-se também com o bem-estar deles, mesmo quando os colaboradores não estão trabalhando. Atualmente, percebem-se também investimentos em políticas e estímulos ao bom humor, além de total combate ao mau humor dentro e fora da organização", avalia a gerente de Recursos Humanos.
Ao ser indagada sobre as razões que levaram a LG Sistemas a investir no bom humor, ela afirma que não houve um fato relevante, pois esta prática está inerente à cultura da empresa e a companhia acredita verdadeiramente que um ambiente de trabalho alegre torna o dia a dia dos colaboradores mais agradável, uma vez que todos estão comprometidos com os resultados. Além disso, continua a gerente de Recursos Humanos, é de conhecimento de todos que o bom humor é um grande aliado da saúde e, consequentemente, da melhoria da produtividade. Ou seja, pessoas bem humoradas contaminam positivamente o ambiente.
Profisssionais da LG Sistemas em momento de descontração
O bom humor - Mas, afinal o que é ser um profissional bem humorado? Karina Pimentel explica que é fácil notar um colaborador com bom humor. Geralmente, ele é uma pessoa educada, gentil e sempre está com um sorriso no rosto ao lhe cumprimentar. Mas a característica mais forte desse talento é ser otimista, mesmo diante de situações adversas e, mais que isso, ele consegue respostas rápidas e criativas para essas mesmas situações. Profissionais bem humorados são perseverantes, mesmo em tarefas que exijam mais, possuem bom relacionamento interpessoal na empresa e constroem vínculos de amizades com os colegas, inclusive fora da organização.
A gerente de RH afirma que sem a menor sombra de dúvidas, é missão de qualquer profissional de Recursos Humanos é ser o guardião e o mantenedor do clima organizacional das empresas. "E na LG Sistemas não é diferente. Estamos sempre atentos ao clima da empresa e de cada departamento. Contamos imensamente com a parceria dos nossos gestores, que são os responsáveis diretos por contribuir significativamente com o equilíbrio e harmonia nos seus respectivos departamentos, sinalizando e acionando o RH sempre que necessário", assinala, ao acrescentar que a principal ação para estimular o bom humor internamente se reflete através do exemplo dado por cada líder. Ela diz que é impossível desvincular o bom humor da figura do gestor. Então, primeiramente, a área de RH trabalha toda potencialidade dos gestores e sua capacidade criativa e de relacionamento interpessoal através do Programa Academia de Líderes que além das sessões de coaching individuais, oferece oportunidade em treinamentos comportamentais inerentes à liderança que atua na organização.
Ações - Outra prática importante que reflete no "estado de espírito" dos funcionários é o investimento no Programa LG Mais Vida que visa desenvolver hábitos saudáveis dos colaboradores. Afinal, é comprovado que uma alimentação saudável, associada à prática constante de exercícios físicos e uma boa noite de sono, é uma perfeita combinação que garante o bom humor.
Estar atento ao clima e ter ferramentas que possibilitem que os colaboradores comuniquem qualquer assunto, ajudando a manter o bom ambiente de trabalho, também é uma das ações que priorizadas através da prática Comunicar - onde são disponibilizados vários canais em que os colaboradores podem se comunicar com a empresa e vice-versa. "Temos diversas ações e programas que promovem integração e também a descontração, estimulando o bom humor no ambiente corporativo como, por exemplo, as Quintas Culturais, o Integra LG e o Coral LG", sinaliza Pimentel.
Engajamento e Humor - Para a gerente de RH, o engajamento em uma equipe bem humorada é mais fácil do que em um time que não tem essa prática. O cuidado que se deve ter é com o limite das pessoas e os tipos e momentos para brincadeiras, mas isso depende da dinâmica e maturidade dos profissionais. Além disso, ela salienta o bom humor traz diferenciais significativos.
"É comprovado pela ciência que o bom humor tem impactos positivos na saúde. Se tivermos pessoas mais saudáveis, certamente teremos menor número de afastamentos por doenças. Além disso, se torna mais fácil desenvolver e manter competências importantes que auxiliam na busca de melhores resultados para organização em pessoas bem humoradas. Acredito que o ganho mais visível para a Gestão de Pessoas é o clima de trabalho, pois o colaborador e as equipes bem humoradas conseguem contaminar positivamente o ambiente em que estão, se comunicam de forma mais assertiva, estabelecem bons relacionamentos interpessoais e ajudam a eliminar tensões do dia a dia", diz a gerente de RH.
Karina Pimentel reforça, ainda, que quando fala estrategicamente em Gestão de Pessoas, refere-se em contribuir com o negócio da empresa através da redução de turnover, maior atratividade de pessoas, baixas taxas de absenteísmo, resultados e entregas mais criativas e pessoas verdadeiramente engajadas no negócio. Todos esses fatores também são consequências de um bom clima organizacional e, sem dúvida, indicadores significativos para o negócio de qualquer organização.
Ela cita que não é necessário ter qualquer técnica mirabolante ou ações com elevados custos para cultivar o bom humor no ambiente de trabalho. As pessoas precisam, primeiramente, estar bem consigo mesmas e isso é possível através de uma rotina de hábitos saudáveis como, por exemplo: boa alimentação, prática esportiva regular, boas noites de sono e horas de lazer.
Por outro lado, cabe às organizações desenvolverem ambientes de trabalho fundamentados em respeito ao próximo e confiança e estimular a prática do bom humor, trabalhando e preparando as lideranças para esse novo conceito empresa, para receberem as novas gerações de colaboradores que estão chegando ao mercado. Ações pontuais que permitam o estímulo constante ao desenvolvimento de hábitos saudáveis, integrações entre colaboradores e, claro, total atenção a qualquer ponto fora da curva também complementam o trabalho de estímulo ao bom humor no ambiente de trabalho.
"Para os profissionais que atuam na área de Recursos Humanos, fica a missão de serem guardiões do clima organizacional e formarem e informarem aos seus colaboradores a diferença entre práticas efetivas de bom humor e ambiente de descontração, orientando sobre as posturas ou brincadeiras inadequadas que vão totalmente contra o bom clima de trabalho", conclui Karina Pimentel.

Por Patrícia Bispo para o RH.com.br

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Três capacidades para desenvolver em 2013

Mais um novo ano chegou, e com ele a certeza de que as mudanças velozes continuarão no contexto profissional. Para acompanhar a dinâmica do mundo atual, onde os resultados são para ontem, três capacidades comportamentais precisam ser desenvolvidas:
1- Saber otimizar o seu tempo.
2- Se relacionar com mais qualidade.
3 - Ter autoliderança.

Vejamos a seguir a importância de cada uma delas!

Saber otimizar o seu tempo - Nos dias atuais, torna-se imprescindível saber fazer mais com menos , através de uma gestão do tempo consciente, principalmente quando o estresse começa a tomar conta da rotina do dia a dia. A maioria das pessoas está vivendo uma rotina de correria, pois os prazos são curtos e a sobrecarga de trabalho é evidente. De acordo com a International Stress Management Association no Brasil (ISMA-BR), o estresse já afeta 70% dos brasileiros economicamente ativos. A cada dia surgem estudos revelando que o nível de estresse e o estilo de vida determinam 60% das doenças. Segundo dados recentes do INSS, o estresse e a depressão afastam do trabalho mais de 200 mil pessoas por ano no Brasil.
É preciso tomar cuidado, pois o excesso de informação, combinado com a procura incessante por resultados em curto espaço de tempo leva a um nível de ansiedade muito alto. De acordo com a Associação Brasileira de Psiquiatria, a ansiedade está entre as principais causas de afastamento do trabalho. Para lidar com isso, é preciso, primeiro, identificar o modo como você usa seu tempo e depois começar a se organizar.
Então, foque nas atividades que são realmente importantes, trabalhe com prioridades, faça um planejamento semanal de suas tarefas, com metas realistas e prazos adequados para executar. As exigências no campo profissional vão continuar, então é chegada a hora de aprender a filtrar as diversas informações que surgem ao longo do dia e saber dizer NÃO a tudo o que não é importante e que só vai consumir sua energia. Certa vez, Winston Churchill disse: "O tempo é neutro, mas pode se tornar o aliado daqueles que o capturarem e o usarem por completo". Sendo assim, reveja como tem usado seu tempo e aprenda a usá-lo com sabedoria.
Se relacionar com mais qualidade - No atual mundo competitivo, muitas pessoas, por estarem tão focadas em resultados no curto espaço de tempo, esquecem de que um dos fatores mais importantes para o sucesso profissional, a qualidade dos relacionamentos. Ninguém alcança sucesso sozinho, para isso é preciso saber se relacionar positivamente com as pessoas ao nosso redor. A qualidade nos relacionamentos é determinada pela qualidade da comunicação estabelecida entre as pessoas. Se você pretende evoluir profissionalmente será necessário evoluir, também, em sua capacidade de comunicação.
Quem desenvolve sua comunicação interpessoal de forma consciente adapta-se mais facilmente em qualquer contexto onde exista diversidade de crença, opiniões e personalidades. Até para vender uma boa imagem, fortalecer o marketing pessoal e atender com mais eficácia seus clientes, uma boa comunicação torna-se indispensável. Então, seja cooperativo, empático e agregador em tudo que fizer.
Ter autoliderança - É a capacidade de gerenciar as próprias emoções, com consciência e atitude para manter equilíbrio, pois a vida não é só trabalho e contas para pagar, mas é, também, composta da área familiar, lazer, saúde etc. Autoliderança também significa ter objetivos e metas claras, e se auto-motivar para não perder o foco e não sair da rota da conquista daquilo que considera importante para sua vida. Todos aqueles que se dedicam a desenvolver sua autoliderança conseguem fazer uma gestão do tempo com mais assertividade e conseguem relacionar-se com mais facilidade com qualquer tipo de pessoa.
Portanto, se você quiser alcançar novos patamares em sua carreira profissional, comece liderando a si mesmo. Não fique reclamando da falta de tempo e do excesso de trabalho, pois os desafios continuarão. Tenha atitude e desenvolva as três capacidades para SER e ter muito mais em 2013.

Fonte www.rh.com.br

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Qual o valor?

Um jovem foi até um mestre e começou a questionar o valor dos ensinamentos que ele ministrava. Disse que ele estava errado em muitos aspectos e que não concordava com grande parte dos ensinamentos.
O mestre, sem se perturbar, retirou do dedo um anel. Em seguida entregou ao jovem dizendo: "Por favor, pegue este anel e leve até o mercado. Veja se pode conseguir uma peça de ouro por ele".
O jovem, sem entender o motivo do pedido do mestre, foi até o mercado. Correu barraca por barraca, mercador por mercador e o máximo que conseguiu foi a oferta de uma peça de prata pelo anel. Ele voltou ao mestre e relatou o acontecido.
O mestre então lhe disse: "Agora vá até um joalheiro e mostre o anel. Então, pergunte quanto ele pagaria".
O jovem assim o fez. O joalheiro olhou o anel e se deteve na pedra incrustada no mesmo. Depois de um certo tempo analisando o que estava vendo, ofereceu mil moedas de ouro, só pela pedra. O jovem ficou completamente surpreso e paralisado diante da oferta.Ele voltou até o mestre e relatou o acontecido.
O mestre então lhe disse: "A sua noção de valor em relação aos conhecimentos que transmito aos discípulos é tão grande quanto a noção de valor dos mascates à respeito de joias. Quem se propõe a avaliar joias, deve primeiro tornar-se um joalheiro".



sábado, 2 de fevereiro de 2013

A cicatriz

Um menino tinha uma cicatriz no rosto, as pessoas de seu colégio não falavam com ele e nem sentavam ao seu lado, na realidade quando os colegas de seu colégio o viam franziam a testa devido à cicatriz ser muito feia.
Então a turma se reuniu com o professor e foi sugerido que aquele menino da cicatriz não frequentasse mais o colégio, o professor levou o caso à diretoria do colégio.
A diretora ouviu e chegou à seguinte conclusão: Que não poderia tirar o menino do colégio, e que conversaria com o menino e ele seria o último a entrar em sala de aula e o primeiro a sair, desta forma nenhum aluno veria o rosto do menino, a não ser que olhasse para trás.
O professor achou magnífica a ideia da diretora, sabia que os alunos não olhariam para trás.
Levado ao conhecimento do menino a decisão ele prontamente aceitou a imposição do colégio, com uma condição:
Que ele compareceria na frente dos alunos em sala de aula, para dizer o por quê daquela CICATRIZ.
A turma concordou, e no dia o menino entrou em sala dirigiu-se a frente da sala de aula e começou a relatar:
— Sabe turma eu entendo vocês, na realidade esta cicatriz é muito feia, mas foi assim que eu a adquiri: minha mãe era muito pobre e para ajudar na alimentação de casa minha mãe passava roupa para fora, eu tinha por volta de 7 a 8 anos de idade...
A turma estava em silêncio atenta a tudo. O menino continuou: além de mim, haviam mais 3 irmãozinhos, um de 4 anos, outro de 2 anos e uma irmãzinha com apenas alguns dias de vida.
Silêncio total em sala.
...Um dia não sei como, a nossa casa que era muito simples, feita de madeira começou a pegar fogo, minha mãe correu até o quarto em que estávamos pegou meu irmãozinho de 2 anos no colo, eu e meu outro irmão pelas mãos e nos levou para fora, havia muita fumaça, e estava muito quente...
...Minha mãe colocou-me sentado no chão do lado de fora e disse-me para ficar com eles até ela voltar, pois minha mãe tinha que voltar para pegar minha irmãzinha que continuava lá dentro da casa em chamas. Só que quando minha mãe tentou entrar na casa em chamas as pessoas que estavam ali não deixaram minha mãe buscar minha irmãzinha, eu via minha mãe gritar: "minha filhinha esta lá dentro!" Vi no rosto de minha mãe o desespero, o horror e ela gritava, mas aquelas pessoas não deixaram minha mãe buscar minha irmãzinha...
...Foi aí que decidi. Peguei meu irmão de 2 anos que estava em meu colo e coloquei ele no colo do meu irmãozinho de 4 anos e disse-lhe que não saísse dali até eu voltar. Saí entre as pessoas e quando perceberam eu já tinha entrado na casa. Havia muita fumaça, estava muito quente, mas eu tinha que pegar minha irmãzinha. Eu sabia o quarto em que ela estava. Quando cheguei lá ela estava enrolada em um lençol e chorava muito...
...Neste momento vi caindo alguma coisa, então me joguei em cima dela para protegê-la, e aquela coisa quente encostou em meu rosto...
A turma estava quieta atenta ao menino e envergonhada, então o menino continuou:
...Vocês podem achar esta CICATRIZ feia, mas tem alguém lá em casa que acha linda e todo dia quando chego em casa, ela, a minha irmãzinha a beija, porque sabe que é marca de AMOR.
 

Autor desconhecido