Google+ Badge

domingo, 6 de abril de 2014

Livro: Mundo Corparativo Por Max Gehringer - Apresentação

ALGUM DIA, NUM FUTURO NÃO MUITO DISTANTE, UM  HISTORIADOR 

escreverá um relato interessante. Durante 200 anos, ele dirá, mais

ou menos entre 1850 e 2050, existiu um fenômeno chamado “mercado de trabalho”.

Nele, uma pessoa se associava a uma empresa, em uma condição formal conhecida

como “vínculo empregatício”. Em troca do aluguel mensal de seu tempo e de seu

talento, essa pessoa recebia várias compensações. A principal delas era um

pagamento fixo. Mas havia muito mais. Férias anuais, assistência médica, um salário

extra por ano, aposentadoria, cesta básica, vale-transporte, vale-refeição. E tudo isso,

independentemente da situação que a empresa estivesse atravessando. Uma

 O historiador ponderará, também, que nada parecido com isso existiu

no longo período decorrido desde as primeiras civilizações, na ancestral

Mesopotâmia, até o século XIX de nossa era. Durante esse tempo, existiram os

camponeses, que plantavam para o proprietário das terras e ficavam com uma ínfima

parte da colheita, para seu próprio sustento. Existiram soldados, que recebiam um

soldo e eram autorizados a saquear as cidades conquistadas para melhorar seu

orçamento. Existiram escravos, vítimas de uma barbárie social que perdurou até o

final do século XIX. Existiram religiosos, cujo sustento era provido pelos fiéis. E

existiram mercadores e comerciantes autônomos. O que hoje chamaríamos de

“empregados” - pessoas que prestavam um serviço continuado, por um salário fixo -

não perfaziam mais que 1% da população. Sendo que a grande maioria estava

engajada no serviço público.

 Foi o advento do mercado de trabalho que transferiu a maior parte das

populações do campo para a cidade. A atração estava nos benefícios delongo prazo,

inexistentes nas roças, e na possibilidade de uma carreira profissional. Esse

fenômeno atingiu seu auge no período entre 1940 e 1990. A partir daí, a curva

começou a se inverter. A possibilidade de um bom emprego em uma boa empresa

passou a ficar mais difícil. E a quantidade de autônomos começou,

proporcionalmente, a aumentar.

 Mas os jovens que entraram no mercado de trabalho a partir de 1990

não sabiam que estavam no ponto de inflexão da história. Suas referências eram

aquelas que seus pais lhes transmitiram: estude, arranje um emprego, e você poderá

desfrutar das delícias da classe média trabalhadora pelo resto de sua vida. Hoje, 500

mil jovens se formam anualmente no Brasil. E partem em busca de uma realidade

que está deixando lentamente de existir: a das cinco últimas gerações, que puderam

tirar proveito de um mercado em que havia mais vagas do que candidatos.

 É exatamente esse momento de transição que eu venho tentando

traduzir em meus artigos para a revista Época e em meus comentários diários para a

Rádio CBN. Minha melhor credencial é também a mais óbvia: eu trabalhei adoidado.

Filho de um mecânico e de uma tecelã, que jamais na vida conseguiram ganhar mais

que dois salários mínimos por mês, eu posso dizer que tive um pouco de

competência e muita sorte. A sorte foi a de ter entrado no mercado de trabalho em

seu momento mais glorioso, a era do milagre econômico brasileiro, quando havia um

emprego em cada esquina. A competência foi a de ter entendido as regras desse

mercado. Isso me permitiu construir uma carreira que foi muito além do que eu,

quando tinha 18 anos, poderia sonhar.

 Há 7 anos, eu decidi deixar de viver esse mundo corporativo por dentro

e passar a olhá-lo de fora. Deixei a presidência de uma empresa para ser escritor e

palestrante. Duas atividades nas quais minha experiência era zero. Na época, meus

amigos mais generosos me chamaram de “inconseqüente”. Os mais sinceros, de

“debilóide”. Embora o tempo tenha provado que essa foi a decisão mais sensata que

eu tomei na vida, ela já vinha sendo amadurecida havia anos. Eu tinha a consciência

de que o mercado de trabalho iria se transformar, rápida e radicalmente. E queria

poder dizer isso para o maior número possível de pessoas. Principalmente os jovens,

para que eles não se iludissem. E para os profissionais satisfeitos demais, para que

eles não fossem apanhados desprevenidos. E, novamente, dei sorte. Já comecei

escrevendo para as duas maiores revistas de negócios do Brasil. Só que, dessa vez, a

sorte tinha nomes e sobrenomes: Paulo Nogueira, Diretor do Grupo Exame, e Maria

Tereza Comes, na época redatora e mais tarde Diretora de Redação da Você S/A.

 Nessa minha nova carreira de cronista corporativo, a Rádio CBN foi

uma dádiva. Ela é um enorme alto-falante. E me permitiu aumentar meu público,

tanto em quantidade - de milhares de leitores para milhões de ouvintes - quanto em

freqüência - de artigos mensais ou quinzenais para comentários diários. Mas toda

história sempre tem um começo. Um dia, a Mariza Tavares, Diretora da CBN, me

ligou. E me perguntou, assim, na lata: “Além de escrever, você também sabe falar?”.

E eu pensei comigo: “Bom, eu deveria saber, pelo menos por decurso de prazo, já

que aprendi a falar cinco anos antes de aprender a escrever.” Mas, dias depois, ao

conversar com a Mariza sobre os finalmentes, eu ainda tinha um monte de dúvidas.

E ela, nenhuma. Obrigado, Mariza.

 O resultado de toda essa história é este livro. Ele não pretende ensinar

nada, nem ditar regras. O mundo corporativo já tem regras demais. O objetivo é o de

gerar reflexões. Aqui estão os textos integrais dos 120 comentários que provocaram

mais reações da parte dos ouvintes. A favor ou contra. E esse é exatamente o ponto.

Recordar é viver. Discordar é mostrar que estamos vivos.

Max Gehringer


* Irei pubicar um capítulo por dia.
Postar um comentário