Google+ Badge

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Drogas e Lixos Mortais da Engenharia Social



Liberadores da maconha – e outras drogas lícitas ou ilícitas menos votadas -, uni-vos no Inferno! Pois lá é o único lugar permitido para contabilizar mais uma perda gerada, precocemente, pelo vício, pela vaidade, pela gula, pela mentira, pelos falsos valores e, enfim, pelas ilusões de poder mundanas. O mundo das celebridades se chocou ontem com a perda da cantora britânica Amy Winehouse, de 27 anos, achada morta, na própria residência, em Camden, no norte de Londres, Inglaterra.

Terrível ironia do destino. Mais uma derrota simbólica para os engenheiros sociais daquele Reino Unido. A agora vítima Amy Winehouse era um instrumento do processo de Engenharia Social. Somos bombardeados pelo processo político-ideológico de construção psicossocial de regras padronizadas de conduta humana. Os ideólogos tentam regular nossa linguagem e nosso modo de agir, através da adoção prática de termos e expressões politicamente corretos. A Comunicação - o instrumento básico de construção do Poder Real – é usada para deformar mentes, construir, destruir e reconstruir conceitos que interessam ao sistema dominante.

A Engenharia Social usa a Comunicação, suas mídias e seus profissionais (agentes conscientes e inconscientes) para difundirem ideologias e conceitos subjetivos, imprecisos ou sem base na verdade concreta e objetiva. Tudo para moldar a sociedade dentro do pensamento globalitário da Nova Ordem Mundial – sob comando da Oligarquia Financeira Transnacional. Em uma sociedade com Educação precária, o terreno fica escancarado para a midiotização em massa (isto é, o uso da mídia para formar idiotas coletivos).

No clima pesado da morte da jovem Amy Winehouse, e do terror gerado na Noruega pelo nem tão velho assim Anders Behring Breivik, de 32 anos, o Brasil quase serviu de palco para exibição de mais um produto da engenharia da insanidade. Por ter cenas de necrofilia, pedofilia (estupro de um recém-nascido) e violência extrema, "A serbian Film: Terror sem limites" - dirigido por Srdjan Spasojevic - foi censurado dentro da lei e da ordem constitucional.

A juíza Katerine Jatahy Nygaard, da 1ª Vara da Infância, da Juventude e do Idoso, proibiu a exibição do longa-metragem que estava na programação da mostra RioFan (Festival Fantástico do Rio), na Caixa Cultural, e passaria, sábado à noite, na telona do Odeon, na Cinelândia carioca. Previsto para estrear no circuito brasileiro no dia 5 de agosto, "A serbian Film” é um lixo de primeira qualidade, pois contém anti-valores que atentam contra a vida e a liberdade humanas.

A juíza Katerine Jatahy Nygaard não agiu com falso moralismo. Tomou uma decisão humana e técnica. Justificou sua censura com base no Estatuto da Criança e do Adolescente, que “veda expressamente a filmagem, reprodução, divulgação por qualquer meio de cenas de sexo explícito ou pornográfico envolvendo crianças ou adolescentes”. Também alegou que “não se pode admitir que, em favor da liberdade de expressão, um pretenso manifesto político exponha de tal forma a degradação do ser humano, a ponto de violar sexualmente um recém-nascido”.

Não podemos nem devemos ser coniventes com lixos da engenharia social - como o sucesso da falecida Amy Winehouse (que celebra a pretensa liberdade de dizer não a um tratamento anti-drogas), ou como o “Serbian Film” de Srdjan Spasojevic,ou como o insano ato terrorista-ideológico de Anders Behring Breivik.

Vale repetir sempre. Se não formos capazes de conter os efeitos negativos da Engenharia Social contra a humanidade, seremos vítimas do pior dos totalitarismos: aquele que não parece autoritário, pois é travestido pelo pensamento “politicamente correto” da Nova Ordem Mundial. A imbecilidade coletiva – e suas pretensas “unanimidades” e “consensos” operam a todo vapor. Não podemos radicalizar, para não cair no jogo do inimigo.

Devemos ser tolerantes. Mas não podemos ser coniventes com os erros. Precisamos oferecer democracia, liberdade, valores humanos e virtudes para enfrentar e superar o destrutivo sistema de engenharia social proposto pela Nova Ordem Mundial. O equilíbrio é a única estratégia possível para derrotar o radicalismo da ignorância, dos preconceitos e dos erros.

Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog e podcast Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.


© Jorge Serrão 2006-2011. Edição do Blog Alerta Total de 25 de Julho de 2011. A transcrição ou copia deste texto é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas.

Postar um comentário